OITAVO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes
SÁBADO,
14 DE MAIO, 2011

UMA HORA DA TARDE.
COPACABANA.

NA LOJA CHOCOLATES DO CORAÇÃO.
ESTÃO RIBERILDA, BOANERGES E SEUS FILHOS RONALDO E RIVALDO.
(Riberilda) – Que momento raro. A mamãe, no caso eu…
TODOS RIEM.
– Reunida com seus filhotes.
(Ronaldo) – Mãe, para com isso!
(Rivaldo) – A senhora não acha que já somos bem crescidinhos para sermos chamados de filhotes?
(Riberilda)- Pra mãe, filho nunca cresce! Nunca!
(Boanerges) – Rivaldo, meu filho, fiquei sabendo que vai vir um pastor de Brasília visitar a sua igreja?
(Riberilda) – Sério? Tem uns pastores bem ungidos em Brasília. Quem é a bênção?
(Rivaldo) – Rafael Medeiros, ele tem um ministério lindo!
Chama-se Allos Mundi, tem um site na web:
(Ronaldo) – A igreja tá precisando de homens como ele.
(Riberilda) – Não vou perder! Quando será? 
(Rivaldo) – No domingo 22.
(Boanerges) – Parece que Brasília vai invadir Copacabana.
Semana que vem estaremos lançando uma loja da Boutique do Brigadeiro.
A Rúbia Guimarães estará no lançamento.
(Ronaldo) – Rúbia Guimarães é? 
(Pensamento de Ronaldo: eu já vi essa gostosa por aqui)
(Riberilda) – Por que Ronaldo, você conhece?
(Ronaldo) – Já vi meu pai conversando com ela. Mais uma loja de chocolates em Copa. Vai ser um sucesso!
(Boanerges) – Vai ser sim. Os brigadeiros dela são famosos em Brasília e deliciosos!
(Rivaldo) – Bem, eu vou nessa.
(Riberilda) – Meu filho, vou pegar uma carona com você.
RIBERILDA DESPEDE-SE DE BOANERGES E RONALDO COM UM BEIJINHO.
OS DOIS SAEM DA LOJA.
(Ronaldo) – Pai, essa Rúbia é casada?
(Boanerges) – Sim, por quê?
ENTRA UM CLIENTE NA LOJA. RONALDO OLHA PARA REGINA.
(Ronaldo) – Por nada.
(PENSAMENTO DE RONALDO: Que pena!)



DUAS HORAS DA TARDE.
NO HORTIFRUTI SABORES DE COPA.
MARIA NO ESCRITÓRIO COM ESTER.

(Ester) – Tia, nunca poderia imaginar!
(Maria) – Ester, preciso inventar alguma coisa pros seus primos acreditarem que é o segredo. Só confio em você, meu amor.
(Ester) – Tia, eu tô arrasada com esse segredo!
(Maria) – Imagina como eu fiquei quando a mamãe me contou?
(Ester) – Nossa tia… e agora? O que você pretende fazer?
(Maria) – Em primeiro lugar. Resolver a questão do hortifruti.
Conversar com o Antonio Cabreras. Ele tem direito a tudo isso aqui.
(Ester) – E quanto a tia Freda e a tia Valéria? Você vai contar?
(Maria) – Isso aí é bem mais complicado, você não acha?
(Ester) – Mas elas têm o direito de saber!
(Maria) – Mas não agora. Preciso preparar o terreno.
ESTER PARA UM INSTANTE. PENSA.
(Ester) – Pode contar comigo viu?
MARIA OLHA CARINHOSAMENTE PRA ESTER.
FAZ UM AFAGO EM SEU ROSTO.
(Ester) – Eu sei meu amor. Obrigada.
ENTRA NO ESCRITÓRIO, ANTONIO CABRERA.
(Antônio Cabrera) – Olla.

FIM DO OITAVO CAPÍTULO

ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO, 
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS, 
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA.
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.