SEXTO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes

SÁBADO,
7 DE MAIO, 2011



QUATRO HORAS DA TARDE.
CALÇADÃO DE COPACABANA.


ROSÂNGELA E FREDA TOMANDO UMA ÁGUA DE COCO.
(Rosângela) – Rivaldo me contou que Boanerges fez vasectomia.

(Freda) – Como? Quando? Sério?
(Rosângela) – Seríssimo!
(Freda) – Peraí… então… o segredo de…
(Rosângela) – Maria não é o que esperávamos.
(Freda) – Mas, eu pensei que…
(Rosângela) – Pensou errado. Quer dizer, você pensou o quê?
(Freda) – Que Maria fosse filha do tio Boanerges.
(Rosângela) – A velha Edviges falou com o Rivaldo. Depois que ele nasceu, por ele ser muito danado, quer dizer, safadinho…
AS DUAS RIEM.
(Rosângela continua)
– Ela a obrigou a fazer a cirurgia de reversão.
(Freda) – E agora, ficamos no zero a zero.


SÃO CINCO HORAS DA TARDE.
HORTIFRUTI SABORES DE COPA.

MARIA MARIA E VALÉRIA NO ESCRITÓRIO.
(Maria) – E agora, papai morreu e vamos continuar tocando o negócio dele?
(Valéria) – Eu já tenho o petshop. Fica difícil pra mim… 
Freda tem a clínica, também fica difícil pra ela. 
Você tem sua vida de shows, o que faremos?
(Maria) – O que você acha de vendermos a franquia?
(Valéria) – Você não quer tentar tocar? Papai amava as frutas.
(Maria) – Não tenho ideia de como tocar isso.
(Valéria) – Então, o jeito vai ser vender mesmo.
Vamos conversar com a Freda.
(Maria) – Temos que decidir isso juntas.
Só não quero que a Freda toque no assunto do segredo da mamãe.
(Valéria) – Isso é impossível! Mas vou tentar falar com ela.
Posso perguntar uma coisa?
(Maria) – Pode, claro.
(Valéria) – A mamãe contou o segredo dela pra vc, contou?
MARIA PENSA UM POUCO. FICA DE COSTAS PRA VALÉRIA.
DEPOIS VIRA-SE PRA ELA.
(Maria) – Contou sim. Algo que vou ter que resolver sozinha.
E só me diz respeito. Não envolve vocês duas.
VALÉRIA APROXIMA-SE DA IRMÃ.
FAZ UM CARINHO NO ROSTO DELA.
(Valéria) – Eu lhe admiro muito, sabia?
Queria ter um pouquinho da sua coragem, sua determinação.
(Maria) – Mas, você tem. Você que não assume.
Uma mulher bonita, inteligente, independente…
Não deveria estar com o…
VALÉRIA CORTA MARIA.
(Valéria) – Não queria falar desse assunto.
(Maria) – Está bem. Quando quiser, a porta da minha casa estará aberta.
(Valéria) – Obrigado.
AS DUAS SE ABRAÇAM.


DOMINGO.
UMA HORA DA TARDE.
NO SALÃO DE FESTAS DA TENDA DA NUVEM DA BÊNÇÃO.

A FAMÍLIA REUNIDA. 
UMA MESA RETANGULAR GRANDE.
NO MENU: ARROZ À GREGA, SALMÃO AO MOLHO DE MARACUJÁ E VÁRIOS TIPOS DE SALADAS.
VINHO BRANCO À VONTADE.

PASTOR RIVALDO COM ROSÂNGELA, FREDA COM REGINALDO, VALÉRIA COM RODRIGO, RIBERILDA COM BOANERGES, RONALDO COM MARILENE, MARIA COM PEDRO E SEUS RESPECTIVOS FILHOS SENTADOS AO FINAL DA MESA.
NAS CABECEIRAS: RIBERILDA E BOANERGES.
(Rivaldo) – Bem família, queria propor um brinde…
BOANERGES INTERROMPE.
(Boanerges) – Meu filho, acho que não há motivos para brindes…
(Freda) – Há muitos motivos…
(Maria) – Concordo com o tio Boanerges… não há motivos para brindes…
(Eduardo) – Você sempre concorda com o Boanerges, Maria…
(Valéria) – Por favor, estamos todos reunidos, em família…
Duas pessoas muito queridas nos deixaram…
(Marilene) – Concordo com a Valéria.
(Rosângela) – Mas, brindar ao quê?
(Reginaldo) – Aos vivos!
(Riberilda) – Aos vivos! Está certo Reginaldo. Aos que ficaram…
(Rivaldo) – Aos vivos. Eu queria dizer… a vida continua e a nossa família deve ficar forte, unida.
(Maria) – Se depender da Freda, isso nunca acontecerá, reverendo…
(Freda) – Se depender de mim, Maria? Por quê? O que eu te fiz?
(Maria) – Fez? Nada. Você nunca fez nada, é isso…
(Valéria) – Por favor, Maria… Freda… Rivaldo tem razão.
Precisamos de paz. Nossos pais se foram…
(Riberilda) – Duas pessoas muito queridas. 
Tenho certeza que não gostariam de ver essa cena aqui…
(Pedro) – Então, um brinde aos vivos!
(Eduardo) – Eu quero viver muitos anos…
(Reginaldo) – Eu também. Quero viver muitas aventuras… quero amar muito mais…
(Freda) – Como assim?
(Reginaldo) – Amar você muito mais, meu amor!
REGINALDO OLHA PARA VALÉRIA DE MANEIRA SUSPEITA E DEPOIS PARA MARIA.
PEDRO OLHA PARA MARIA.
(Ronaldo) – Reginaldinho, faço minhas suas palavras…
Brindemos ao amor, então!
(Marilene) – Ao amor!
(Rivaldo) – Aos vivos e ao amor!
TODOS SE BEIJAM.

FIM DO SEXTO CAPÍTULO

ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO, 
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS, 
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.