DÉCIMO SEGUNDO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes

SEXTA,


20 DE MAIO, 2011

COPACABANA
SETE HORAS DA NOITE
NO PETSHOP DE VALÉRIA.
CLÁUDIO ROBERTO E VALÉRIA CONVERSAM NO ESCRITÓRIO.


(Valéria) – Cláudio Roberto, eu te chamei aqui porque eu preciso falar um assunto muito sério com você!
(Claudio Roberto) – Um assunto sério? Que papo de assunto sério é esse, dona Valéria?
(Valéria) – Seu comportamento, suas atitudes… bem, estou te dispensando…
(Claudio) – Como? Dona Valéria… a senhorinha não pode fazer isso comigo! E o meu aluguel? E as minhas conta
(Valéria) – Pensasse antes de fazer o que você está fazendo comigo…
CLAUDIO ROBERTO QUERENDO CHORAR.
(Claudio) – Eu amu cuidar dos bichim
Fiz cursu e tudo mais…
(Valéria) – Não se preocupe. Vou te dar uma carta de referência. Não vai ficar desempregado…
(Claudio) – Mas eu gostu daqui. Eu gostu da senhora…
CORTANDO.
(Valéria) – Chega dessas lágrimas de crocodilo!
A partir de amanhã você não trabalha mais aqui.
Aguarde um telefonema do contador. Só assine aqui, por favor.
(Claudio) – Lágrimas de quê?
A senhora me chamou de croco o quê?
(Valéria) – Assine aqui por favor.


ENTREGA UMA CANETA PRA ELE.
ELE ASSINA E ENXUGA AS LÁGRIMAS.
(Valéria) – Isso é pra você aprender a não mexer com as pessoas.
(Claudio) – Todo mundo vai saber do seu casu com o seu Reginaldo. A senhora é uma safada! 
VALÉRIA FICA ENFURECIDA COM AQUILO.
CLAUDIO NÃO SE INTIMIDA E ENDURECE NAS PALAVRAS.
(Valéria) – Olha como você fala comigo!
(Claudio) – Comu será que seu filhozin vai reagir quando saber que a mãe dele tem um caso com o tio dele?
E o seu marido? Aquele corno manso… RI
VALÉRIA APROXIMA-SE DE CLAUDIO ROBERTO, ENCARA-O E DIZ.
– Não tenho medo de suas ameaças!
Agora, suma da minha frente!
CLAUDIO ROBERTO AGARRA VALÉRIA E ROUBA UM BEIJO.
ELA SE LIVRA DELE.
(Claudio) – Gostosa! 
CLAUDIO ROBERTO SAI DO ESCRITÓRIO.
(Valéria) – Nojento! 
PEGA UM GRAMPEADOR E JOGA NA PORTA.



COPACABANA
OITO HORAS DA NOITE
NO HORTIFRUTI SABORES DE COPA, MARIA MARIA E ANTONIO CABRERA CONVERSAM NO ESCRITÓRIO.


(Maria) – Eu compreendo muito bem. Eu vou fazer tudo na maior discrição, o senhor pode ficar tranquilo.
(Antonio) – Tu padre siempre decia que vos eras la mejor de sus hijas… quiero disculpame…
(Maria) – Não precisa se desculpar, senhor Antonio Cabrera.
Pai é o que cria, não o que gera. 
Eu só gostaria que o senhor não aparecesse mais na igreja, no bar onde eu canto… me sinto incomodada depois de conhecer toda a verdade sobre o meu pa… sobre o Serafim…
(Antonio) – tu padre María. El es tu padre. Acabaste de decir que padre es el que cria.
MARIA FICA EM PÉ. ANDA DE UM LADO AO OUTRO.
OLHA PARA UM ESPELHO.
(Maria) – Essa história toda… estou confusa… nem sei mais quem eu sou… 
VIRA-SE PARA ANTONIO CABRERA.
– O senhor entende?
(Antonio) – Puedo entender si es, compreender también…
Soy un hombre bien vivido. Ya vi muchas histórias en esa vida y la de tu padre no es diferente.
(Maria) – Obrigado, muito obrigado mesmo pela compreensão.
Agora, se o senhor me dá licença, tenho que me preparar…
daqui a pouco vou cantar, o Pedro, meu namorado, vai chegar e não vai entender o senhor por aqui.
(Antonio) – Vos todavia no le contaste nada a el?
PEDRO ENTRA NO ESCRITÓRIO
OS DOIS OLHAM PARA ELE.
(Pedro) – Não contou o que, Maria?



COPACABANA
OITO E MEIA DA NOITE
CASA DE RONALDO E MARILENE.
NA SALA DE JANTAR ESTÃO: OTÁVIO, RONALDO E MARILENE
OTÁVIO CALADO. RONALDO E MARILENE PERCEBEM.


(Marilene) – Filho, você quase não tocou na comida. Fiz aquele purê de batatas baroas delicioso que você gosta e nada, não comeu nada!
(Otávio) – Tô sem fome, mãe.
(Ronaldo) – O que foi dessa vez? Você vive sem fome.
(Marilene) – Não quero meu filhote sem fome. 
(Ronaldo) – Tá apaixonado?
(Marilene feliz) – Apaixonado filhote? Quem é a sortuda?
(Otávio) – Não é bem uma paixão. OLHA PARA RONALDO.
– É uma obsessão!
(Ronaldo) – Ui, essa foi boa!
MARILENE E RONALDO RIEM.
(Marilene) – Meu filho, gostei viu? Mas, obcecado por quem?
Podemos saber?
(Otávio) – Claro que podem. A Regina!
RONALDO ENGASGA-SE. MARILENE O SOCORRE.
(Marilene) – A Regina? Peraí, a funcionária da loja do seu pai?
Mas ela é bem mais velha que você, meu filho!
(Ronaldo) – Ficou maluco?
(Otávio) – Por que, papai? (debochando)
(Ronaldo) – Isso tá me cheirando a golpe…
(Marilene) – Golpe, por que golpe?
(Otávio) – Não se preocupe, papai, eu só quero um lanchinho…
(Marilene) – Meu filho, o que é isso? Não seja assim…
Esse comportamento é para homens canalhas!
(Ronaldo) – E ela, tá a fim de você?
(Otávio) – Por que o senhor quer saber?
(Marilene) – É Ronaldo, o que interessa saber?
(Ronaldo) – Só por curiosidade…
(Otávio) – Acho que sim. Já dei uns pegas nela.
RONALDO ENGASGA-SE NOVO. MARILENE O SOCORRE OUTRA VEZ.
(Ronaldo) – Você não pode se envolver com essa mulher, ouviu?
Ela quer dá um golpe em você! É uma pobretona!
OTÁVIO LEVANTA-SE DA MESA.
– Com licença. Eu vou indo.
(Marilene) – Mas você não comeu quase nada…
(Ronaldo) – Isso não vai ficar assim…
O INTERFONE TOCA.
(Otávio) – Pode deixar, é pra mim.
OTÁVIO VAI ATENDER. 
– Estou descendo.
(Marilene) – Quem era meu filho?
(Otávio) – A Regina. Nós vamos sair.
Beijo mãe, beijo pai.
OS DOIS TROCAM OLHARES INCRÉDULOS


colaboração neste capítulo: Analía Rodriguez

FIM DO DÉCIMO SEGUNDO CAPÍTULO
ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO, 
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS, 
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA.
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.