VIGÉSIMO PRIMEIRO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes
SÁBADO,
09 DE JULHO, 2011

COPACABANA.
DUAS HORAS DA TARDE.


NO QUIOSQUE DO POSTO 4, CLAUDIO ROBERTO, REGINA E CRISTINA.
(Cristina) – Inacreditável Regina!
Quer dizer então que você chegou no bar pra estragar a festa e quem estragou a festa foi ele, o pirralho?
(Cláudio Roberto) – Mais ou menos isso que você falou, mas tinha festa ontem lá, Regina?
(Regina) – É maneira de falar, Cláudio. 
Pois é Cristina, eles já sabiam do segredo. Parece que a velha Marilene vai sair de casa.
(Cristina) – Tô amarrotada! Que coisa! Enfim, aquele cafajeste foi desmascarado! Aleluia!
(Cláudio) – Aleluia? O nosso plano foi pro espaço, Cristina!
(Cristina) – Que plano Regina? Que plano Roberto?
(Regina) – A gente ia dá uma de chantagista…
(Cláudio) – É. Ia rolar umas azulzinha…
(Regina) – As notas de cem reais. Várias!
(Cristina) – Você são dois malucos! Isso pode dá cadeia, sabia?
(Cláudio) – Mas nós ia preso ricos!
(Regina) – É, Cristina, nós ia!
(Cristina) – Você são realmente brilhantes!
Vou nessa. Tenho mais o que fazer!
(Cláudio) – Mas já? Toma um coquinho a mais aí, Cristina!
CRISTINA VAI EMBORA SEM SE DESPEDIR DIREITO DOS DOIS.
REGINA FICA PENSATIVA.
CLÁUDIO ROBERTO COMENTA.
(Cláudio) – Será que ela ficou chateada?
(Regina) – Acho que sim.
OS DOIS FICAM PENSATIVOS.



COPACABANA.
TRÊS HORAS DA TARDE.


CASA DE MARILENE E RONALDO.
MARILENE DE MALAS PRONTAS.
RONALDO CHORA.


(Marilene) – Vou embora pra casa do meu irmão, em São Paulo.
MUITO EMOCIONADO. CHORANDO.
(Ronaldo) – Não sabia que você tem um irmão em São Paulo…
(Marilene) – Nem eu, mas tenho. Vou ficar um tempo lá.
Agora, para com essas lágrimas de crocodilo. Poupe-me, seu falso!
OTÁVIO ENTRA NA SALA COM MALAS PRONTAS TAMBÉM.
(Marilene) – O que é isso, meu filho?
(Otávio) – Eu vou com a senhora, mãe.
OTÁVIO ABRAÇA A MÃE.
(Marilene)- Mas Otávio, sua escola, suas coisas, suas amizades…
(Otávio) – Não importa. Pra onde a senhora for, eu vou. Não vou ficar na mesma casa desse aí!
(Ronaldo) – Olha como você fala comigo, seu moleque!
(Marilene) – Olha como você fala com ele, seu safado!
Encosta um dedo nele e eu mato você!
(Otávio) – Mãe, nem vale a pena.
(Marilene) – Vamos embora Otávio!
OS DOIS SE RETIRAM. ANTES DE SAIR, MARILENE OLHA PRA SALA.
COSPE EM RONALDO.
(Marilene) – Nojento!


RONALDO CHORA COMPULSIVAMENTE.

FIM DO VIGÉSIMO PRIMEIRO CAPÍTULO
ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO,
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS,
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA.
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.