VIGÉSIMO QUARTO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes
SÁBADO,
16 DE JULHO, 2011.

COPACABANA. ONZE HORAS DA NOITE.

APARTAMENTO DE FREDA E REGINALDO.
NA SALA EM PÉ: REGINALDO, VALÉRIA, RODRIGO, ESTER, AMANDA, OTÁVIO E RAFAEL.


VALÉRIA ACHANDO TUDO MUITO ESTRANHO.
(Valéria) – Eu não entendi o porquê da gente estar aqui… você entendeu Reginaldo?
(Reginaldo) – Coisas de mulheres. Freda esqueceu alguma coisa…
(Rodrigo) – Vocês sempre tão esquecidas…
(Valéria) – Peraí, eu sou esquecida, Freda não. E por que tivemos que subir todos?
(Amanda) – Mãe, por que a senhora está tão tensa?
Subimos rapidinho só pra tia pegar uma coisa que esqueceu…
(Rafael) – E eu estava com muita sede.
RAFAEL SAI E DIRIGE-SE À COZINHA. OTÁVIO O ACOMPANHA.

AMANDA LIGA O TELÃO.
TODOS SENTAM.
(Ester) – Filme a essa hora Amanda?
(Valéria) – Minha filha, ninguém vai quer ver filme agora.
FREDA ENTRA NA SALA COM RAFAEL E OTÁVIO.
(Freda) – Esse você vai gostar Valéria, minha irmã amada.
(Reginaldo) – Finalmente Freda, vamos?
(Freda) – Vamos assistir um filmizinho, meu amor.

AS CENAS EXIBIDAS É UMA MIX DE IMAGENS DE REGINALDO E VALÉRIA AOS BEIJOS. ENTRADAS NO MOTEL. BEIJOS CALOROSOS EM PLENA LUZ DO DIA.


(Reginaldo) – O que isso significa?
(Rafael) – Você traindo minha mãe com a tia Valéria.
VALÉRIA COM O ROSTO RUBORIZADO E COM LÁGRIMAS NOS OLHOS.
LEVANTA-SE.
(Valéria) – Eu não vou ficar aqui vendo isso…
FREDA PEGA PELOS SEUS CABELOS E SEGURA FIRME.
(Freda) – Ah, vai sim. Vai ver até o último minuto.
(Amanda) – É um curta mamãe. Passa rápido.
(Rodrigo) – A atriz é ótima, mas o ator, um canastrão.
(Reginaldo) – Não é nada disso que vocês estão vendo…
(Ester) – O clichê foi ótimo, tio Reginaldo.
(Otávio) – Que elasticidade hein, tia?
(Valéria) – Me respeite, moleque!
(Otávio) – Respeito? Moleque?
(Ester) – Não fale assim com ele, sua vagabunda! Traíra!
(Reginaldo) – Olha como você fala, menina!
(Amanda) – Olha como fala, por quê? Quem é você pra dar lição de moral na gente? Quem são vocês? Dois traidores! Dois falsos!
(Rodrigo) – Bem. Acabou. 
RODRIGO DESLIGA O TELÃO.

FREDA JOGA VALÉRIA NO SOFÁ. MANDA REGINALDO SENTAR AO LADO DELA.
VALÉRIA CABISBAIXA E REGINALDO DE CABEÇA PRA CIMA. CÍNICO.
LADEADOS: FREDA, RODRIGO, AMANDA, ESTER, RAFAEL E OTÁVIO.

(Freda) – Esta noite, Reginaldo, você vai dormir na casa da sua mãe.
Suas coisas já estão arrumadas. Inclusive, eu já conversei com ela.
(Reginaldo) – O quê? Minha mãe sabe de tudo? Não acredito!
(Rodrigo) – Quer ligar pra ela? Ela nos apoiou desde o início.
(Freda) – Eu perdi minha mãe, mas ganhei outra.
(Reginaldo) – Mamãe me paga!
(Rodrigo) – E você, Valéria, não adianta continuar derramando essas lágrimas de crocodilo… você vai voltar pra casa da sua mãe também. Falei com a Maria, ela concordou.
(Valéria) – Maria?
(Rodrigo) – Bem, a Freda que não foi.
TODOS RIEM.
(Rodrigo) – Suas coisas já estão lá.
(Amanda) – E o que faremos agora, tia Freda?
(Freda) –  Vamos jantar. Vamos comemorar a minha e a liberdade do seu pai!
VALÉRIA SE LEVANTA.
REGINALDO TAMBÉM.
VALÉRIA SAI CABISBAIXA, ABRE A PORTA E VAI EMBORA.
REGINALDO ABRAÇO FREDA.


(Reginaldo) – Você não acha que a gente pode conversar mais?
(Freda) – Acho, meu amor, podemos sim… na justiça!
Agora saia da minha frente! A Valéria já foi. Vá atrás dela!
(Reginaldo) – Rafael, você vai ficar parado, meu filho?
RAFAEL ABRAÇA FREDA.
(Rafael) – Vou ficar parado ao lado da minha mãe.
REGINALDO OLHA PARA RODRIGO.
(Reginaldo) – Perdoa amigo.
RODRIGO VIRA A CARA PARA REGINALDO.
REGINALDO ABRE A PORTA E SAI.


RAFAEL ABRAÇA FREDA. AMANDA ABRAÇA RODRIGO.
(Ester) – Tia, como a senhora está?
FREDA SENTA NO SOFÁ. CHORA.
(Freda) – Agora melhor, Ester. 
ENXUGA AS LÁGRIMAS.
(Ester) – E você, tio Rodrigo?
(Rodrigo) – Com fome.
TODOS RIEM.

UM MÊS DEPOIS.

COPACABANA. DUAS HORAS DA TARDE.

GABINETE PASTORAL.
O COPASTOR RIVALDO COM MARILENE E OTÁVIO.

(Marilene) – Por que você defende tanto o seu irmão?
Como pastor você deveria ter outra postura.
(Rivaldo) – Ele é meu irmão, antes de qualquer coisa…
(Marilene) – E o seu compromisso com Deus? Sua família está acima de Deus?
(Rivaldo) – Não é bem assim, Marilene. Meu irmão tem os seus defeitos, mas te ama.
(Otávio) – Imagine se ele não amasse a minha mãe…
(Rivaldo) – É um jeito diferente de amar, digamos assim.
(Marilene) – Na Bíblia se ama assim?
(Rivaldo) – O amor de Deus supera o perdão. Acho que você deveria perdoar, Ronaldo. Ele está se esforçando para mudar. Ele é um homem de Deus.
(Marilene) – Homem de Deus? Ser homem de Deus significa trair a esposa?
Enganhar o filho?
(Otávio) – Nossa, mãe, vamos embora.
(Marilene) – Vamos filho, não sei onde estava com a cabeça de ter vindo até aqui e falar com você, Rivaldo. Continuo muito desapontada.
ELA SE LEVANTA JUNTO COM OTÁVIO.

(Rivaldo) – Não vá embora. Por favor, fique mais um pouco. Eu tenho uma surpresa pra você.
(Otávio) – Mãe, não tô gostando nada de surpresa.

RONALDO ENTRA NO GABINETE.
(Marilene) – Ronaldo?
(Otávio) – Eu sabia que era isso…
(Ronaldo) – Marilene, Otávio, por favor, preciso falar com vocês!

MARILENE OLHA PARA OTÁVIO.

SERÁ QUE MARILENE VAI PERDOAR RONALDO?
EMOÇÕES FINAIS DE TEMPESTADE DE LÁGRIMAS DE CROCODILO.

FIM DO VIGÉSIMO QUARTO CAPÍTULO
ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO, 
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS,
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.