VIGÉSIMO SEGUNDO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes
DOMINGO,
10 DE JULHO, 2011

LEBLON
DUAS HORAS DA TARDE.


NA CASA DE MARIA ESTÃO PEDRO, MARILENE E OTÁVIO.
NA SALA, APÓS O ALMOÇO, ELES CONVERSAM TOMANDO UM CAFÉ.


(Maria) – Marilene, saiba que você poder ficar aqui com o Otávio o tempo que você quiser.
(Marilene) – Obrigada Maria, eu não tenho como agradecer essa bênção que você está fazendo por mim e pelo meu filho.
(Otávio) – A minha tia é e sempre foi uma pessoa maravilhosa!
(Pedro) – Vocês são vizinhos do Rivaldo, o que ela pensa sobre tudo?
(Marilene) – Você acha, Pedro, que ele ficaria do lado da cunhada? Foi uma decepção! Ele falou que eu deveria dar uma segunda chance pro irmão. 
Que ele está arrasado e que começou a fazer uma campanha de jejum e oração pra eu voltar pra ele, pode?
TODOS RIEM.


(MARIA) – O Ronaldo orando e jejuando? Ah, tá! As pessoas acham que enganam a Deus…
É por essas e por outras que não vou à igreja do Rivaldo.
Muita gente fofoqueira e hipócrita! E ele não faz nada!
(Otávio) – E o caso da tia Valéria com o tio Reginaldo, o que deu?
(Pedro) – Maria sabe de alguma coisa?
(Marilene) – Rivaldo abafou também. Ele conversou com a Freda e o Reginaldo e ficou tudo bem e não se toca no assunto.
(Maria) – Como assim?
O INTERFONE TOCA. MARIA VAI ATENDER. 
DIRIGE-SE À PORTA, ABRE E A DEIXA ABERTA.

(Maria) – São as minhas outras pérolas.
(Marilene) – Eu acho lindo esse amor que a Maria tem pelos sobrinhos.
Lembra o meu irmão que mora em Sampa, o Lalo.
Ele tem uma sobrinha que é paixão da vida dele!
(Pedro) – É Deus no céu e os sobrinhos dela na terra.
(Marilene) – Você não fica com ciúmes, Pedro?
(Pedro) – Nunca! Eu admiro muito esse amor! Sei muito bem dividir as coisas e a Maria não deixa misturar nada.
(Marilene) – Admiro esse relacionamento de vocês! Trabalho, casa, família, vocês aí, juntos e não brigam?
(Pedro) – A gente não tem tempo.
OS DOIS RIEM.
MARIA RECEBE OS SOBRINHOS AMANDA, RAFAEL E ESTER COM MUITA ALEGRIA.
TODOS SE CUMPRIMENTAM E FICAM ACOMODADOS NA SALA.


(Ester) – Estou vendo que o negócio aqui tá muito bom!
(Marilene) – Estava falando do amor que a Maria tem por vocês.
(Amanda) – Maria é a nossa tia, amiga, irmã e mãe, às vezes.
TODOS RIEM.


(Maria) – E você são uns fofos da tia!
(Rafael) – Mas nós estamos aqui pra contar uma coisa muito séria que aconteceu. 
(Amanda) – Tia Maria, tia Marilene, vocês não sabem o babado forte que a gente tem pra contar!
MARILENE E MARIA FALAM AO MESMO TEMPO.
– Babado forte?
(Rafael) – Sobre Freda e Reginaldo.



NUM MOTEL NO CENTRO DA CIDADE.
QUATRO HORAS DA TARDE.


VALÉRIA E REGINALDO TOMAM BANHO JUNTOS NA MAIOR ANIMAÇÃO.


(Valéria) – Ai Reginaldo! Adoro quando você me pega assim, de jeito! Fico toda arrepiada! 
LASCA UM BEIJÃO DE NOVELA DAS ONZE NELE, QUE CORRESPONDE.
(Reginaldo) – E você ainda queria me largar né, sua cachorra!
(Valéria) – Ai, não fala assim, que eu gosto!
(Reginaldo) – Cachorra sim! Fica de quatro pra mim!
A FUMAÇA DO CHUVEIRO QUENTE E A TEMPERATURA DO CORPO DOS DOIS EMBAÇA O SEXO.


NA CAMA, DEPOIS DE LOUCURAS NO CHUVEIRO, REGINALDO E VALÉRIA CONVERSAM.


(Valéria) – O que você contou pra Freda pra encontrar comigo?
(Reginaldo) – O de sempre.
TASCA UM BEIJO NELA.
(Valéria) – E o Rivaldo, como você convenceu ele a… digamos, dobrar a Freda?
(Reginaldo) – Você sabe muito bem, uma plata, duas platas, três platas
(Valéria) – Pensei que Rivaldo fosse honesto…
(Reginaldo) – E é, com o dinheiro da igreja, mas com o dinheiro da família…
(Valéria) – Quer dizer então que…
(Reginaldo) – Isso mesmo. Ele abafa os segredos da família por platas….
(Valéria) – Tô boba!
(Reginaldo) – Não fique. Fique assim, como direi, molhada…
BEIJA A BOCA DE MARIA E VAI DESCENDO SUA LÍNGUA…
(Valéria) – Não faz assim meu furacão!
NA SAÍDA DO MOTEL. CLÁUDIO ROBERTO E REGINA AVISTAM O CARRO DE REGINALDO SAINDO DA GARAGEM.
(Regina) – Não acredito! Cláudio Roberto, você viu o que eu vi?
(Cláudio) – Era o seu Reginaldo com a minha patroinha Valéria?
(Regina) – Isso mesmo! Será que vamos recuperar aquele dinheiro que a gente perdeu?
(Cláudio) – Dinheiro? Recuperar? Gostí!

PRAIA DE COPACABANA.
QUATRO HORAS DA TARDE.


QUIOSQUE DO POSTO DOIS.
FREDA (ESPOSA DE REGINALDO) E RODRIGO (ESPOSO DE VALÉRIA) CONVERSAM.


(Freda) – Ou nós fazemos alguma coisa agora, ou então seremos enganados eternamente, o que você prefere, Rodrigo?
(Rodrigo) – Façamos algo, Freda. E o pastor?
(Freda) – Ele sabe de tudo, mas toma partido pelo Reginaldo.
(Rodrigo) – Sábado é o casamento daqueles velhinhos da igreja.
Eu tenho umas ideias…
SOBE MÚSICA ENQUANTO RODRIGO EXPLICA SUAS IDEIAS À FREDA. AO FINAL, RODRIGO E FREDA APERTAM AS MÃOS.


QUAL SERÁ O BABADO FORTE QUE RAFAEL TEM PRA CONTAR À MARIA E À MARILENE?
QUANTAS PLATAS GANHOU RIVALDO POR ENGANAR FREDA?
CLÁUDIO ROBERTO E REGINA CONTARÃO SOBRE O MOTEL DE REGINALDO E VALÉRIA?
QUAL SERÁ O PLANO DE RODRIGO?

FIM DO VIGÉSIMO SEGUNDO CAPÍTULO
ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO,
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS,
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here