VIGÉSIMO SEGUNDO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes
DOMINGO,
10 DE JULHO, 2011

LEBLON
DUAS HORAS DA TARDE.


NA CASA DE MARIA ESTÃO PEDRO, MARILENE E OTÁVIO.
NA SALA, APÓS O ALMOÇO, ELES CONVERSAM TOMANDO UM CAFÉ.


(Maria) – Marilene, saiba que você poder ficar aqui com o Otávio o tempo que você quiser.
(Marilene) – Obrigada Maria, eu não tenho como agradecer essa bênção que você está fazendo por mim e pelo meu filho.
(Otávio) – A minha tia é e sempre foi uma pessoa maravilhosa!
(Pedro) – Vocês são vizinhos do Rivaldo, o que ela pensa sobre tudo?
(Marilene) – Você acha, Pedro, que ele ficaria do lado da cunhada? Foi uma decepção! Ele falou que eu deveria dar uma segunda chance pro irmão. 
Que ele está arrasado e que começou a fazer uma campanha de jejum e oração pra eu voltar pra ele, pode?
TODOS RIEM.


(MARIA) – O Ronaldo orando e jejuando? Ah, tá! As pessoas acham que enganam a Deus…
É por essas e por outras que não vou à igreja do Rivaldo.
Muita gente fofoqueira e hipócrita! E ele não faz nada!
(Otávio) – E o caso da tia Valéria com o tio Reginaldo, o que deu?
(Pedro) – Maria sabe de alguma coisa?
(Marilene) – Rivaldo abafou também. Ele conversou com a Freda e o Reginaldo e ficou tudo bem e não se toca no assunto.
(Maria) – Como assim?
O INTERFONE TOCA. MARIA VAI ATENDER. 
DIRIGE-SE À PORTA, ABRE E A DEIXA ABERTA.

(Maria) – São as minhas outras pérolas.
(Marilene) – Eu acho lindo esse amor que a Maria tem pelos sobrinhos.
Lembra o meu irmão que mora em Sampa, o Lalo.
Ele tem uma sobrinha que é paixão da vida dele!
(Pedro) – É Deus no céu e os sobrinhos dela na terra.
(Marilene) – Você não fica com ciúmes, Pedro?
(Pedro) – Nunca! Eu admiro muito esse amor! Sei muito bem dividir as coisas e a Maria não deixa misturar nada.
(Marilene) – Admiro esse relacionamento de vocês! Trabalho, casa, família, vocês aí, juntos e não brigam?
(Pedro) – A gente não tem tempo.
OS DOIS RIEM.
MARIA RECEBE OS SOBRINHOS AMANDA, RAFAEL E ESTER COM MUITA ALEGRIA.
TODOS SE CUMPRIMENTAM E FICAM ACOMODADOS NA SALA.


(Ester) – Estou vendo que o negócio aqui tá muito bom!
(Marilene) – Estava falando do amor que a Maria tem por vocês.
(Amanda) – Maria é a nossa tia, amiga, irmã e mãe, às vezes.
TODOS RIEM.


(Maria) – E você são uns fofos da tia!
(Rafael) – Mas nós estamos aqui pra contar uma coisa muito séria que aconteceu. 
(Amanda) – Tia Maria, tia Marilene, vocês não sabem o babado forte que a gente tem pra contar!
MARILENE E MARIA FALAM AO MESMO TEMPO.
– Babado forte?
(Rafael) – Sobre Freda e Reginaldo.



NUM MOTEL NO CENTRO DA CIDADE.
QUATRO HORAS DA TARDE.


VALÉRIA E REGINALDO TOMAM BANHO JUNTOS NA MAIOR ANIMAÇÃO.


(Valéria) – Ai Reginaldo! Adoro quando você me pega assim, de jeito! Fico toda arrepiada! 
LASCA UM BEIJÃO DE NOVELA DAS ONZE NELE, QUE CORRESPONDE.
(Reginaldo) – E você ainda queria me largar né, sua cachorra!
(Valéria) – Ai, não fala assim, que eu gosto!
(Reginaldo) – Cachorra sim! Fica de quatro pra mim!
A FUMAÇA DO CHUVEIRO QUENTE E A TEMPERATURA DO CORPO DOS DOIS EMBAÇA O SEXO.


NA CAMA, DEPOIS DE LOUCURAS NO CHUVEIRO, REGINALDO E VALÉRIA CONVERSAM.


(Valéria) – O que você contou pra Freda pra encontrar comigo?
(Reginaldo) – O de sempre.
TASCA UM BEIJO NELA.
(Valéria) – E o Rivaldo, como você convenceu ele a… digamos, dobrar a Freda?
(Reginaldo) – Você sabe muito bem, uma plata, duas platas, três platas
(Valéria) – Pensei que Rivaldo fosse honesto…
(Reginaldo) – E é, com o dinheiro da igreja, mas com o dinheiro da família…
(Valéria) – Quer dizer então que…
(Reginaldo) – Isso mesmo. Ele abafa os segredos da família por platas….
(Valéria) – Tô boba!
(Reginaldo) – Não fique. Fique assim, como direi, molhada…
BEIJA A BOCA DE MARIA E VAI DESCENDO SUA LÍNGUA…
(Valéria) – Não faz assim meu furacão!
NA SAÍDA DO MOTEL. CLÁUDIO ROBERTO E REGINA AVISTAM O CARRO DE REGINALDO SAINDO DA GARAGEM.
(Regina) – Não acredito! Cláudio Roberto, você viu o que eu vi?
(Cláudio) – Era o seu Reginaldo com a minha patroinha Valéria?
(Regina) – Isso mesmo! Será que vamos recuperar aquele dinheiro que a gente perdeu?
(Cláudio) – Dinheiro? Recuperar? Gostí!

PRAIA DE COPACABANA.
QUATRO HORAS DA TARDE.


QUIOSQUE DO POSTO DOIS.
FREDA (ESPOSA DE REGINALDO) E RODRIGO (ESPOSO DE VALÉRIA) CONVERSAM.


(Freda) – Ou nós fazemos alguma coisa agora, ou então seremos enganados eternamente, o que você prefere, Rodrigo?
(Rodrigo) – Façamos algo, Freda. E o pastor?
(Freda) – Ele sabe de tudo, mas toma partido pelo Reginaldo.
(Rodrigo) – Sábado é o casamento daqueles velhinhos da igreja.
Eu tenho umas ideias…
SOBE MÚSICA ENQUANTO RODRIGO EXPLICA SUAS IDEIAS À FREDA. AO FINAL, RODRIGO E FREDA APERTAM AS MÃOS.


QUAL SERÁ O BABADO FORTE QUE RAFAEL TEM PRA CONTAR À MARIA E À MARILENE?
QUANTAS PLATAS GANHOU RIVALDO POR ENGANAR FREDA?
CLÁUDIO ROBERTO E REGINA CONTARÃO SOBRE O MOTEL DE REGINALDO E VALÉRIA?
QUAL SERÁ O PLANO DE RODRIGO?

FIM DO VIGÉSIMO SEGUNDO CAPÍTULO
ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO,
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS,
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.