VIGÉSIMO TERCEIRO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes
SÁBADO,
16 DE JULHO, 2011
COPACABANA. SETE HORAS DA NOITE.

CASAMENTO DE DARLENE E DAVI.
A IGREJA ESTÁ LOTADA DE VELHINHOS E OS HABITUAIS MEMBROS DA TENDA DA NUVEM DA BÊNÇÃO.
TODOS ESTÃO LÁ: MARIA, PEDRO, MARILENE, OTÁVIO, AMANDA, ESTER, RAFAEL, REGINALDO E FREDA, RODRIGO E VALÉRIA, RIBERILDA, BOANERGES, RONALDO e ROSÂNGELA.
ANTONIO CABRERAS TAMBÉM ESTÁ NA IGREJA.
FREDA OBSERVA QUE CABRERAS OLHA MUITO PRA ELA.
AS IRMÃS GERACINA, PAULINA E AS IRMÃS DE LÍNGUA FELINA CIDA E IVÂNIA TAMBÉM MARCAM PRESENÇA.

(Cida) – Nossa, que cafonice essa igreja!
(Ivânia) – Nossa, que rosas mais feias!
AS DUAS RIEM.
(Cida) – Será que a velhinha vai entrar de branco?
(Ivânia) – Será? Ah, não acredito! Cara de pau entrar de branco.
Dizem que ela tem oito netos.
(Cida) – Três filhos nervosos…
(Ivânia) – Dois filhos nervosos e um gayzinho.
AS DUAS RIEM.
(Cida) – Quatro filhos pra cada um?
(Ivânia) – Ui! Netarada só.
AS DUAS RIEM.
(Cida) – Ih, lá vem ela. 
AS DUAS FALAM AO MESMO TEMPO.
– De creme!
(Ivânia) – Ah, bom.

TOCA A MARCHA NUPCIAL.
DONA DARLENE ESTÁ LINDA DE NOIVA NUM VESTIDO NA COR CREME.
ENQUANTO ELA ENTRA, TODOS OLHAM PARA A NOIVA. ALGUNS VELHINHOS ENXUGAM LÁGRIMAS DERRAMADAS A CADA PASSO DE DARLENE.
COMEÇA A CERIMÔNIA.
COPASTOR RIVADO FAZ OS VOTOS E COMEÇA A MENSAGEM.
O AMOR NÃO TEM IDADE.
PR RAFAEL DE BRASÍLIA ESTÁ PRESENTE. ELE É UM DOS PADRINHOS.
O COPASTOR RIVADO CONVIDA A CANTORA CHRIS DANTAS. 
CHRIS DANTAS APRESENTARÁ A MÚSICA ANGEL.

A MENSAGEM E A BÊNÇÃO FINAL SERÁ DADA PELO PASTOR RAFAEL DE BRASÍLIA.
TERMINA A CERIMÔNIA.
OS NOIVOS RECEBERÃO OS CUMPRIMENTOS NO SALÃO NOBRE DO COPACABANA PALACE.


(Cida) – Olha, aqui no convite diz que os noivos receberão os cumprimentos no Salão Nobre do Copacabana Palace.
(Ivânia) – Ela é velha mas não é pobre não, meu amor.
(Cida) – Dizem que ela herdou uma herança milionária do falecido e que os filhos são médicos conceituados no Brasil. Riquíssimos!
(Ivânia) – E o velho Davi? Esse tem dinheiro viu? Empresário dos mais ricos da cidade. Amigo de Eike.
(Cida) – Hummm, amigo de Eike? Olha só. E como a gente nunca deu em cima de um partidão desse?
(Ivânia) – Eu dava, ele que nunca me deu condição.
Pegou a mais senil da Tenda.
AS DUAS FALAM AO MESMO TEMPO COM CARA DE TRISTEZA.
– Ai, ai, ai.


ANTONIO CABRERAS UM POUCO TONTO (TOMOU UNS COPOS A MAIS DE VINHO) APROXIMA-SE DE FREDA E VALÉRIA QUE ESTÃO JUNTAS COM MARIA, PEDRO, REGINALDO E RODRIGO.


(Cabreras) – Permiso, Sra. Freda, Sra. Valeria. Quiero decir algo importante.
PEDRO PERCEBE QUE CABRERA ESTÁ JUNTO DAS DUAS E AVISA À MARIA.
BEM GROSSA FREDA AFASTA CABRERAS. 
(Freda) – Desculpe, meu senhor, não lhe conheço.
(Valéria) – Peraí Freda, não precisa tratar o moço assim…
O senhor está nos incomodando. Precisa de um café.
(Cabreras) – No preciso de café Sra. Valéria. Freda, usted fue muy mal educada con un desconocido extrangero…
(Freda) – Ah, poupe-me, seu bêbado!
Reginaldo! Faça alguma coisa com este senhor bêbado!


REGINALDO E RODRIGO SEGURAM ANTONIO CABRERAS.
(Cabrera) – No me toquen! No me toquen! Yo soy António Cabreras, yo soy!
MARIA CORRE E NÃO DEIXA CABRERAS COMPLETAR A FRASE.
(Maria) – Cabreras, você não está bem. Venha comigo!
(Freda) – Você conhece esse senhor, Maria?
MARIA IGNORA FREDA.
(Maria) – Venha comigo. O sr., não está bem. Bebeu demais.
(Cabreras) – María vos sos una chica linda, sabias? Freda no vale nada! Nunca valio nada! Serafin nunca gusto de ella, nunca!
FREDA NÃO GOSTA DO QUE OUVIU.
(Freda) – Como é que é? Como você ousa a falar assim do meu pai!
Senhor…
(Cabreras) – António, António Cabreras! Yo digo lo que quiero! Y callate la boca asquerosa!!



FREDA NÃO SE CONFORMA COM O XINGAMENTO.
(Freda) – Olha aqui seu argentino filho…
REGINALDO AGARRA FREDA E COLOCA A MÃO NA SUA BOCA IMPEDINDO-A DE TERMINAR A FRASE.


NESTE MOMENTO CHEGA CLÁUDIO ROBERTO E REGINA.
OTÁVIO, RAFAEL, ESTER E AMANDA OBSERVAM A CHEGADA DOS DOIS.
(Rafael) – Ih, parece que a festa vai ficar animada… Olha quem chegou.
(Amanda) – É só o que faltava…
(Otávio) – Eu vou sumir com esses dois daqui é agora…
(Ester) – Não Otávio. SEGURA OTÁVIO.
– Vamos ver com eles, nós quatro, vamos até lá e saber o que fazem aqui.
AMANDA, ESTER, OTÁVIO E RAFAEL DIRIGEM-SE EM DIREÇÃO A CLÁUDIO ROBERTO E REGINA.

MARIA SEGURA NA MÃO DE CABRERAS E TENTA AFASTÁ-LO.
(Valéria) – Maria, não estou entendendo, quem é esse homem?
(Maria) – Depois eu explico, depois eu explico. Venha comigo Cabreras, por favor.
(Freda) – Maria e seus segredinhos. Cheia de mistérios, cheia de enigmas. Ele também faz parte do segredo da mamãe? Ou será o segredo do papai?
CABRERAS RI MUITO.
(Cabreras) – De papá, de papá!
(Freda) – Como assim?
(Reginaldo) – Calma Freda. A Maria já falou que depois explica tudo.
(Pedro) – É, depois a Maria explica tudo.
(Freda) – Até o amante dela sabe de tudo…
(Pedro) – Eu não sou amante de Maria, eu sou o amor dela!
(Freda) – Ai que lindo! Amante sim!
(Pedro) – Quem tem amante aqui, não sou eu…
(Maria) – Chega Pedro! Não dar bola pra Freda! Vamos embora. 
Sr Cabreras, por favor, vamos embora. Eu lhe peço!
(Cabreras) –  Está bien me voy.  Sólo porque me lo estas pidiendo, mi dulce!

Linda del tío!!!

(Valéria) – Gente, não estou entendendo nada…
(Ester) – Fedeu tudo.
(Freda) – Eu quero saber quem você é!


FREDA SEGURA NA MÃO DE CABRERAS.
CABRERAS ABRE A CARTEIRA E MOSTRA A IDENTIDADE.
(Cabreras) – António Cabreras, empresário, muy rico en el ramo de las frutas, legumbres y vinos… Soy muy rico! Muy rico!
MARIA SOLTA A MÃO DE CABRERAS.
PEGA CABRERA PELO BRAÇO E COM AJUDA DE PEDRO SAI COM ELE DALI.


REGINALDO ABRAÇA FREDA.
(Reginaldo) – Calma, já teve confusão demais aqui fora. Vamos embora.
(Freda) – Ninguém merece! Você viu como ele falou comigo? Eu quero saber qual a relação desse argentino com o meu pai!
(Valéria) – Minha irmã, confesso que fiquei bem cismada com o jeito dele falar com você… como se te conhecesse há muito tempo.
(Rodrigo) – A Maria já falou que depois explica tudo…
(Freda) – Eu quero saber mesmo.


PERTO DALI. CABRERAS SENTA NO CHÃO CHORANDO.
(Cabreras) – No aguanto más María! hasta cuando voy a tener que guardar este secreto? Hasta cuando María?
(Pedro) – Nós combinamos trinta dias, o sr. se lembra?
MARIA SE AGACHA. ELA É CARINHOSA COM ELE.
(Maria) – Não se preocupe. Eu prometi e vou cumprir a minha promessa.
(Cabreras) – Todo bem, Maria. Dulce. Agradable.
(Maria) – Agora, vamos se levantar. O sr. precisa de um café forte e um bom banho.
OS DOIS SAEM DALI.


AMANDA, ESTER, OTÁVIO E RAFAEL COM CLÁUDIO ROBERTO E REGINA.
(Otávio) – Posso saber o que vocês estão fazendo aqui?
(Regina) – Seu pai não te deu educação menino? Boa noite pra você também.
(Cláudio) – É, boa noite franguinho.
(Otávio) – Você me chamou de quê?
(Rafael) – Calma Otávio. Não caia na desse mané!
(Amanda) – E aí, vão ficar olhando pras nossas caras lindas ou o quê?
(Ester) – O que vocês estão fazendo aqui?
(Cláudio) – Não é da conta de vocês!
(Regina) – A gente viemos falar com a dona Freda. A nervosinha ali…
CLÁUDIO ROBERTO E REGINA RIEM.


(Rafael) – Minha mãe não tem nada o que falar com você…
(Regina) – Mas eu tenhu. E a gente vamos falar sim.
(Cláudio) – É, a gente vamos sim. Ela vai gostar muito de saber o que a gente viu…
ESTER SACANDO O LANCE DA TRAIÇÃO, JOGA VERDE.
(Ester) – Se é sobre o caso do meu tio com a minha tia, vocês chegaram tarde.


CLÁUDIO ROBERTO E REGINA PASMOS.
(Regina) – Peraí… quer dizer que vocês também sabem?
(Cláudio) – Não acredito que vocês sabia
(Amanda) – Nós sabemos de tudo, por isso, vão perder o tempo de vocês!
(Regina) – E por que eles ainda estão juntu?
(Otávio) – Aparências. Minha mãe adora aparências.
(Cláudio) – Caraca aí! A gente demos mole de novo, Regina.
(Regina) – Por essa eu não contava!
(Rafael) – Ótimo. Não tendo mais o que fazer, bye.
(Cláudio) – Bai? O que é isso, bai?
(Amanda) – Significa tá na hora de vocês vazarem. 
(Ester) – Entendido?
REGINA E CLÁUDIO ROBERTO VÃO EMBORA CABISBAIXOS.


RODRIGO ABRAÇA VALÉRIA. REGINALDO ABRAÇA FREDA.
(Freda) – Que tal se fóssemos jantar?
(Reginaldo) – Mas não vamos à recepção no Copacabana Palace?
(Rodrigo) – Tanto tempo que não jantamos os quatro…
Vamos chamar as crianças também.
(Valéria) – É uma boa. Gostei.
(Reginaldo) – Eu também gostei.
REGINALDO CHAMA POR RAFAEL E AMANDA.


AMANDA COMENTA COM OS OUTROS.
(Amanda) – Eu acho que é agora pessoal.
Vocês querem ir, Otávio, Ester?
(Ester) – Eu não perco isso por nada nesse mundo!
(Otávio) – Nem eu!


AMANDA E OS OUTROS APROXIMAM-SE DE FREDA, REGINALDO, VALÉRIA E RODRIGO.
(Amanda) – Ester e Otávio vão com a gente também, algum problema?
(Rodrigo) – Por mim, não, e por você Freda?
VALÉRIA ESTRANHA.
(Reginaldo) – Por nós, não. Não é Freda?
FREDA PERCEBE A DESCONFIANÇA DE VALÉRIA.
(Freda) – Valéria, tudo bem pra você?
(Valéria) – Tudo bem, claro.
Otávio e Ester devem avisar aos seus pais.
(Ester) – Ah, eles já sabem…
(Valéria) – Como assim?
(Ester) – É que a gente combinou que todos os primos iam sair juntos hoje, como surgir esse convite, a gente topou em unanimidade.
TODOS RIEM.
(Reginaldo) – Então, vamos.


O QUE SERÁ QUE VAI ACONTECER NESSE JANTAR?
QUAL SERÁ O SEGREDO DE CABRERAS ESCONDE SOBRE SERAFIM?


colaboração: Analía Rodriguez

FIM DO VIGÉSIMO TERCEIRO CAPÍTULO
ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO,
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, HISTÓRIAS OU FATOS,
TERÁ SIDO MERA COINCIDÊNCIA


Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.