O$ CARA$ DE PAU DA FÉ – DÉCIMO OITAVO CAPÍTULO

0
De Warlen Pontes
DÉCIMO  OITAVO CAPÍTULO

No capítulo anterior:



No hospital Lar da Saúde em Nova Cabrobó.
Carolina teve que ficar internada no hospital. Ao seu lado na cama estão Adelene e Ludmila.
(Adelene) – Não me conformo de ver minha minina assim, Ludmila, não me conformo!
(Ludmila) – Ela viu alguma coisa muito grave, tia! 
(Adelene) – O que pode de ter acontecido, Lud? O que ela viu que deixou ela assim, chocarada?
(Ludmila) – Ahn? Não entendi, tia.
(Adelene) – Chocarada, fia, de choque mesmo! (Ela para e pensa)
(Ludmila) – O que foi tia? A senhora sabe de alguma coisa?
(Adelene) – Quando eu entrei no escritório de Osvaldinho, eles estava muito estranho e depois, saíram de fininho. Você não percebeu?
(Ludmila) – Percebi, sim. A senhora não acha tudo muito estranho? 
(Adelene) – Acho, sim. Às vez, fico começando a pensar em tudo que a minha Carol diz…
(Ludmila) – Em que, por exemplo, tia?
Ela desconversa. Carolina abre aos poucos os olhos. Ludmila fica intrigada com a observação de Adelene. 
(Adelene) – Carol, fia, tá me ouvindo?
Carolina olha para a mãe e depois olha para Ludmila. Uma lágrima escorre pelo seu rosto.
(Ludmila) – Amiga, fala com a gente. Você consegue?
Outra lágrima escorre pelo rosto de Carolina.
(Adelene) – Carolzinha, meu amor, fale com a mainha, fale!
(Ludmila) – Vamos tentar que ela mexa alguma coisa, ahn… Carol, eu vou fazer uma pergunta e você me responde com a mão, pode ser?
Carol aperta a mão de Ludmila com força. Adelene e Ludmila abrem um sorriso de satisfação.
(Adelene) – O que você viu naquele escritório, Carol? Alguma coisa ligada a Osvaldinho?
Carol aperta a mão de Ludmila com muita força.
(Ludmila) – Era o que eu desconfiava…




No escritório da Mansão de Osvaldinho

Osvaldinho, Gercivaldo, Ana Paula (editora do jornal) e dois capangas de Osvaldinho conversam.
(Osvaldinho) – Quer dizer então que achamos a vaca da minha maninha?
(Ana Paula) – Ela está escondida na casa de uma amiga. O nome é Gerusa.
(Osvaldinho) – A velha Gerusa! Eu conheço aquela velha desgraçada! Ela é muito rica. Vamos com muito cuidado.
(Gercivaldo) – Eu sei que é clichê dizer isso, mas todo cuidado é pouco. 
(Osvaldinho) – Onde está Hércules?
Eles conversam sobre o plano. Lola fica atrás da porta tentando ouvir. Hércules a surpreende com um abraço apertado. Lola fica assustada. Hércules puxa Lola pelo braço e a leva até a cozinha.
(Hércules) – Por qué estabas con la oreja atrás de la puerta?
(Lola) – Estaba atenta. Se el patroncito me llama cómo voy a escucharlo?
Hércules olha incrédulo.
(Hércules) – Muy estranho.
(Lola) – Es verdad, delicia.
Eles se beijam intensamente.
(Hércules) – Tengo que ir. Estoy muriendo de ganas de tus melones, de esas curvas deliciosas!
(Lola) – Yo también.
Hércules após dar outro beijo intenso em Lola, retira-se.


foto internet



Gerusa e Tereza Cristina saem da Fazenda rumo à Mansão de Osvaldinho. Gerusa em sua caminhonete e mais dois carros logo atrás, seus seguranças.
(Gerusa) – Tereza, minha amiga, com Osvaldinho não se brinca. Aquele homi é perigoso, por isso, meus seguranças estarão logo atrás da gente. 
(Tereza) – Estou com um pressentimento ruim, Gê.
(Gerusa) – Fique trankis, Tetê. Tudo vai dar certo. Osvaldinho tá fufu!
Elas dão gargalhadas. Quando elas entram nessa estrada perigosa (foto internet) um caminhão com um carregamento de frangos fecha a estrada. Gerusa nervosa, buzina bem alto. Atrás delas e dos seguranças são avistados quatro captivas pretos. Gerusa não gosta e passa o caminhão de frangos. Logo em seguida, um dos carros da segurança também passa pelo caminhão de frangos e dois captivas pretos. Um outro carro da segurança de Gerusa fica preso com dois captivas pretos. Gerusa percebe e arranca mais rápido com a sua caminhonete.
(Gerusa) – Tetê, seu pressentimento era real. A gang de Osvaldinho está logo atrás.
(Tereza) – E agora, Gê. (assustada)
(Gerusa) – Se segura, porque vem emoção.
Começa uma perseguição entre essas longas e perigosas curvas de terra. Tiroteios entre as captivas e os seguranças de Gerusa. Um dos tiros acerta o pneu do carro dos seguranças que despenca precipício abaixo e uma explosão acontece quando o carro cai.
(Gerusa) – Meu Deus, tenha misericórdia das nossas vidas! Eu prometo, se eu sair dessa, nunca mais eu pego aquele vizinho gostoso, marido da minha melhor amiga!
(Tereza) – O que você disse, Gê?
(Gerusa) – Ele é muito gostoso! Irresistível! Mas se Deus me livrar dessa, eu juro, fico santa! Casta!
(Tereza) – Pai amado ouça a oração da sua serva.
Os captivas continuam na perseguição e acertam vários tiros no blindado de Gerusa.
(Tereza) – Ainda bem que este carro é blindado. 
(Gerusa) – Pra derrubar nós, vai suar bastante, fia!
(Tereza) – Amém!
Mas um tiro acerta um pneu. Gerusa perde o controle da sua caminhonete que rodopia na estrada e capota quatro vezes. O carro fica à beira de um precipício. Dentro do carro, Gerusa e Tereza Cristina sangram na cabeça.
(Tereza) – Vamos sair daqui, Gerusa!
Tereza Cristina percebe que Gerusa está desacordada. Os captivas pretos param perto da caminhonete. Um vidro preto desce aos poucos. Uma arma é apontada para a caminhonete de Gerusa. Tereza Cristina vê pelo vidro retrovisor. Com o impacto do tiro, o carro começa a descer lentamente ladeira abaixo e depois dá três capotadas. De lá de cima, quatro homens de preto observam o carro explodir. Logo atrás deles, a mercedes benz prateada de Osvaldinho para. 
(Osvaldinho) – Vai com Deus, mana! Pena que esse foi o seu fim. Deveria ter me amado mais, me ouvido mais. Saudades eternas! Próxima parada, Hospital Lar da Saúde. Vamos cuidar da saúde de Carol. 
Ele ri sarcasticamente e sai da estrada cantando pneu.


Dez minutos depois…

O honda civic vermelho aparece de novo. Fernando, nosso personagem misterioso, sai do carro.
(Fernando) – Por que você se foi, Tereza Cristina? Queria pegar Osvaldinho junto com você, meu amor.
O Sol começa a baixar, mas Fernando vê algo naquele precipício.


Colaboração: Analia Rodriguez

FIM DO DÉCIMO OITAVO CAPÍTULO



Fernando e Tereza Cristina tiveram um romance?
O que ele viu no precipício?
Será que Osvaldinho resolveu seus problemas de vez com a morte de Tereza Cristina?
Carolina vai se recuperar a tempo de revelar a Adelene e Ludmila o que viu naquele escritório?


Não perca, dia 12, próxima quarta, o décimo nono capítulo de 
O$ CARA$ DE PAU DA FÉ



ESTA É UMA OBRA DE FICÇÃO
QUALQUER SEMELHANÇA COM PESSOAS, 
HISTÓRIAS OU FATOS, TERÁ SIDO, MERA COINCIDÊNCIA.

Curta a nossa página no FACEBOOK

Siga TV a BORDO no twitter
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.