Valéria Vitoriano (Rossicléa): “O sucesso é resultado de uma busca incessante de um humor que realmente nos faça rir!”

35
entrevista
VALÉRIA VITORIANO
Rossicléa

foto: Skolfer
Todos os dias milhares de fãs curtem, comentam e se divertem com a Dama do Humor Nacional: Rossicléa, e no mês passado, postamos as suas frases mais engraçadas na rede social mais famosa do planeta. O sucesso é tão grande, que ela já conta com mais de 100 mil fãs.
No Youtube, Rossicléia satiriza clipes famosos que vão de Beyoncé a Michael Jackson. Em entrevista exclusiva ao blog TV a BORDO, Valéria Vitoriano, a intérprete da Rossicléa, abre o coração e nos conta segredos nunca dantes revelados, que você vai acompanhar, a partir de agora:

TVaBordo – Vamos começar do início. Como surgiu a Rossicléa?

VV – Eu tinha 17 anos de idade e estava acabando o segundo grau, mas a personagem já havia nascido no comecinho da adolescência nas festas de família, onde eu preferia ficar na cozinha da casa da minha avó e conversar com as “figuras” que ali trabalhavam. Estudava seus trejeitos e registrava histórias maravilhosas do interior do Ceará. Daí até lapidar e construir todo o universo da própria personagem foi um pulo, inclusive porque usei por muito tempo os programas da rádio AM e as ligações ao Disque Amizade (145) como “laboratório”. Levava as fitas K-7 com as gravações das ligações para o colégio em que estudava (Imaculada Conceição) e junto às minhas colegas ríamos muito de tanta veracidade que passava a Rossicléa para os incautos ouvintes e radialistas. O começo mesmo, “valendo”, foi no dia 14 de agosto de 1988. Já se vão 24 anos da primeira apresentação em público. Era um final de tarde de domingo quando eu e minha prima, Karla Karenina (Meirinha) desenvolvemos uma ação – junto com outros artistas militantes do Partido Verde – para a candidatura de Mário Mamede em um tablado na Praia de Iracema. A partir daí, a dupla Rossicléa e Meirinha (durou pouco mais de um ano), começou a receber convites para se apresentar em C.A.s, D.C.E.s, restaurantes, etc. Em seguida, o Júlio Trindade lançou o Festiva Brega do Pirata e tiramos o segundo lugar.


TVaBordo – Qual é a sua formação acadêmica?

VV – Comecei a fazer Comunicação Social, mas não concluí. Sempre foi o curso que pensei em fazer. Quando fiz pela primeira vez – logo que acabei o segundo grau – não passei, anos depois, com a carreira consolidada como humorista, ainda tentei fazer, mas já não dava para conciliar os horários.

TVaBordo – Você tem dois filhos. Gostaria que seus filhos seguissem a mesma carreira que a sua?

VV – A minha filha está fazendo direito e o menor ainda está no Ensino Médio. Carreira é dom, vocação. Vou apoiar o que eles quiserem ser. 

TVaBordo – A Valéria Vitoriano escolheu o humor ou o humor escolheu a Valéria Vitoriano?

VV – Acho que o nordestino em geral, para aliviar sua dor, tende a rir da própria desgraça. Entretanto, a história do cearense mostra essa molecagem desde o tempo de Quintinho Cunha. O que se pode esperar de um povo que vaia o sol? Que empalha um bode embriagado? Ser humorista em uma terra onde nasceu Tom Cavalcante, Chico Anysio, Renato Aragão, Falcão e Tiririca é receber uma “chancela” divina. Isso é o tipo da coisa que não se escolhe, se faz. O riso do outro me dá prazer e me faz viver!




TVaBordo – A primeira vez de qualquer coisa, a gente nunca esquece; qual foi a sua no palco?

VV – Toda vez que subo ao palco é como se fosse a primeira vez! Já fiz show em um teatro que tinha tanta goteira que “choveu” nele. Já fiz show em um hotel somente para quatro pessoas. Já errei o fim do palco, caí, torci o pé e todo mundo riu muito! Já saí do show direto para uma cirurgia de emergência (vesícula). Trabalhei na primeira gestação até os últimos 20 dias e na segunda, até uma semana antes. Mas ter contracenado com Dercy Gonçalves, Renato Aragão, ter estado em programas como Globo Repórter, Jô Soares, Hebe, Xuxa, Vídeo Show, Gugu, Raul Gil, Sem Censura, Globo Esporte, Esporte Espetacular, Faustão, Luciana Gimenez, Gilberto Barros (Leão), Ratinho, entre outros; ter estado no elenco do Programa Show do Tom na TV Record e, hoje ter ultrapassado a marca de cinco mil apresentações, fazendo pelo menos quatro shows por semana na minha própria cidade, em eventos corporativos e teatros pelo Brasil, me faz a mulher mais feliz do mundo! O sucesso nos shows para a colônia de brasileiros nos EUA me realizaram muito também. 

TVaBordo – Já pensou em fazer novela?

VV – Nunca pensei nisso.

TVaBordo – Como você vê o humor na televisão brasileira?

VV – Acho que tem espaço para tudo, pois os públicos divergem e são muitas as faixas a serem atingidas, público-alvo, faixa etária, tem coisa a ser analisada. Mas acho que, o mais interessante disso tudo, é a diversidade de linguagem. Tem muita gente boa chegando por aí e o stand up “conversa” muito bem com o humor das personagens. Já tratei de mesclar alguns nos shows que produzo.


TVaBordo – Se você fosse convidada para criar um programa de humor na TV, como seria o formato?

VV – O humor que faz rir é o que nos interessa, seja ele na TV, na internet, no teatro, cinema. Eu faço um programa na web chamado TV SOMZOOM, que é o Rossicléa na Gandaia. Ele é muito a minha cara, mostra lugares e informa ao mesmo tempo que diverte. Existem os shows que produzo na LUPUS BIER, onde sempre são quatro humoristas por noite, estilos diferentes, trazendo sempre a originalidade que todos nós precisávamos. Hoje, o nosso “Humor de Primeira”, traz personagens, cantores, clowns, stand up e riso garantido. Tudo 100% cearense. O sucesso é resultado de uma busca incessante de um humor que realmente nos faça rir. 


foto: arquivo pessoal

TVaBordo – Qual é o seu maior ídolo?
VV – Jesus. Sem hipocrisia e por ser filho do Homem e ser da forma que é; por ter vindo para nos mostrar o caminho e aceitando a todos como somos.
TVaBordo – Que conselhos daria para aqueles que desejam seguir carreira humorística?

VV – Carreira é vocação. Não adianta alguém querer ser humorista só porque faz rir na sua turma de amigos. Às vezes, sobe no palco e não rende. Siga só se for mesmo por vocação. Tem gente que não dá certo em uma profissão e vê o humor como um “nicho de mercado”, meio de vida. Para mim, deu certo, mas também já vi muita gente que sempre teve algo paralelo (emprego, faculdade) para poder se manter. Eu comecei fazendo humor em um ano em que não consegui passar para a Faculdade de Comunicação Social e deu certo. Depois voltei a tentar o vestibular, passei, fiz um semestre, mas já não conciliava os shows da noite e as muitas viagens, ou seja, se eu não fosse humorista, seria jornalista, mas frustada. Vivo do humor desde 1988. Só quando vi que as pessoas gostavam do que fazia é que comecei a transformar aquele sonho em realidade, aquilo em profissão, embora fosse um experimento. Eu lidava com algo completamente intuitivo e empírico.


TVaBordo – É fácil fazer rir?

VV – Acho que para mim seria difícil fazer chorar (risos). Bom, quando é tudo natural, quando as coisas fluem sem precisar forçar a barra de nada, nem de ninguém. O artista tem que fazer a sua arte e não procurar o sucesso, porque fazer arte já é a realização do sonho e, para muita gente, ter sucesso é quando se tem dinheiro. Para mim, tudo foi muito natural. Eu precisava fazer rir para me realizar e ser conhecida. Queria me sentir “querida”, “estar superexposta” e, ter reconhecimento da minha arte, na família, no grupo, na cidade, no país, foi consequência. Lógico, ganhando suficientemente bem para me manter, para conseguir viver bem. Mas para quem vai se “aventurar” na arte é caminhar no escuro, lidar com os borderôs, cachês flutuantes. Tem que estar no sangue mesmo. Não significa que você vai conseguir tudo isso num pacote só (ou durante o mesmo período). Nunca tive medo que não fosse dar certo. Simplesmente fiz. 


foto: arquivo pessoal



TVaBordo – Você tem perfil no Facebook, Instagram, Twitter, Youtube, inclusive, em seu último sucesso musical, menciona o Facebook. Como lida com as redes sociais?

VV – Para mim é muito bom ter a possibilidade de utilizar todas essas ferramentas. Para o artista é fantástico! É um mundo! Mas graças a Deus tenho uma equipe de redatores e as redes sociais funcionam com um auxílio para contatos e contratos. Não gosto nem de ver muita coisa porque noto que tem muita gente sem talento que usa a internet para pulverizar o seu sucesso fake. Sou uma operária do humor. Uso a web para diversão, não para mostrar que tenho “multitalentos”. Eu sou uma mulher que sobe num palco e faz rir. 


TVaBordo – Como é o dia a dia da Valéria?

VV – O artista não tem rotina. É um dia aqui, outro viajando, não tem hora e nem data para descansar. Ainda bem que tenho uma equipe que ajuda em casa com os filhos, outra equipe nos shows que faz tudo para dá certo.  

TVaBordo – E se a Rossicléa fosse uma astróloga, o que ela diria para os nascidos no mês de novembro?

VV – Feliz aniversário! Hahahahahaha!


foto: arquivo pessoal

VALÉRIA SALES
VITORIANO SAMPAIO
29 de julho de 1970,
Fortaleza, CE.

JOGO RÁPIDO


Estado Civil
Bem casada


Apelido
Não tenho


Uma humorista
Dercy Gonçalves


Um humorista
Tom Cavalcante


Música da minha vida
‘Frutificar’ – A cor do Som.




Novela
Difícil acompanhar, mas gosto das que vejo.


Assisto na TV
‘Law and Order’; ‘Drop Dead Diva’; 
‘Agora é Tarde’; Filmes; 
‘Jornal Nacional’ e o ‘Programa do Jô’.


Filme
‘Um Lugar chamado Nothing Hill’.
 Assisti umas 40 vezes!
No avião, sempre choro muitooooo!


Ditado, frase ou verso
Depende do contexto; às vezes é preciso um salmo, 
às vezes só cabe um verso e, às vezes, 
o silêncio é melhor.


Quando criança, o que gostaria de ser?
Bonita. Hahahahaha!


Uma piada sem graça
Piadas de salão, previsíveis.


Minha piada preferida
A que vem do improviso.


Um Sonho de consumo
Uma pousada de frente ao mar.

Qualidade
Me dou demais.


Defeito
Me doar demais.


Debaixo do chuveiro canto
Bossa Nova


No dia do meu aniversário quero ganhar…
Flores e beijos.


Me tira do sério
Ter que esperar.


Lua ou sol?
Lua, beira da praia, vento e meu marido.


Praia, campo ou serra?
Praia. O mar é meu.


Comida preferida
Camarão, caranguejo, paçoca e empada.


Sobremesa
Brigadeiro e sorvete.






Fruta
Pêssego e kiwi.


Sonho
Toda a minha família em NY de férias.


Personagem que gostaria de fazer
Marilyn Monroe


Se pudesse viajar no tempo…
Faria tudo de novo, pois meus erros 
construíram a pessoa que sou hoje.


Rossicléa diria para a Valéria:
“Coragem, mulher!”.


Valéria diria para a Rossicléa:
“Calma, mulher!”.


Mensagem aos fãs:

Quero deixar meu beijo grande, 
meu agradecimento e desejar 
que sejam muito felizes! 
Que Deus sempre lhe mostre o caminho. 
A sua intuição com a ajuda de Deus 
é o que nos faz andar para frente. 
Me adicionem nas redes sociais, no
SITE.
No Facebook: Valéria Vitoriano
Fan page da Rossicléa.


#ValeriaVitorianoNoTVaBordo


#RossicleaNoTVaBordo

Os vídeos no youtube ‘Rossicléa na Gandaia’, o programa na TV Som Zoom. 
Não dá pra gente se perder e, vindo a Fortaleza, me procurem na Lupus Bier. 
Temos shows de humor com Rossicléa e convidados. 
Ligue para (85) 3219-2829.



Rossicléa no youtube
Beyoncé

Inscreva-se!
Humor de Primeira
Leia as Entrevistas 
do TVaBordo





Curta
TV a Bordo


Comentários do Facebook