terça-feira, 1 de setembro de 2015

Série Novelistas: O autor do grande sucesso AVENIDA BRASIL, João Emanuel Carneiro está de volta em A REGRA DO JOGO

foto: reprodução


O segundo capítulo da nossa Série Novelistas é com o autor João Emanuel Carneiro.

Todo o conteúdo publicado nesta série é uma reprodução autorizada pelo autor, o roteirista Michel Luiz Castellar.

Oriundo de HQ (história em quadrinhos) tendo colaborado com Ziraldo, João Emanuel Carneiro, aos 22 anos de idade, ganhou um prêmio em seu primeiro curta-metragem, e no cinema colaborou em vários filmes, CASTELO RÁ-TIM-BUM, DEUS É BRASILEIRO e REDENTOR. O longa CENTRAL DO BRASIL, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, é considerado o filme brasileiro mais premiado do cinema nacional, entre eles, o BAFTA, o Globo de Ouro e o Urso de Ouro, em Berlim.

Sua estreia na TV foi como colaborador de Maria Adelaide Amaral em A MURALHA, uma das minisséries de maior audiência da televisão. Trabalhou novamente com Maria Adelaide na adaptação de OS MAIAS, e foi colaborador também de Euclydes Marinho, em DESEJOS DE MULHER. Sua estreia como titular aconteceu em 2004, aos 34 anos de idade, em DA COR DO PECADO, um grande sucesso no horário das sete, repetindo o êxito em COBRAS e LAGARTOS.

Escreveu alguns episódios do programa BRAVA GENTE, dentre os quais, destaca-se À MODA DO CRIFRE, inspirado em literatura nordestina de cordel.

Foi supervisor de CAMA DE GATO, de Thelma Guedes e Duca Rachid.

Estreou no horário nobre com A FAVORITA, onde construiu uma das melhores vilãs da TV, a psicopata Flora, que durante vários capítulos bancou a mocinha da trama revelando a faceta perversa e dissimulada, de forma inesperada para a maioria dos telespectadores.

Usou títulos provisórios em DA COR DO PECADO (Seria 'Café com Leite'), A FAVORITA ('Juízo Final'), COBRAS E LAGARTOS ('Corações são de Ouro'), e A REGRA DO JOGO ('Favela Chique').

Até hoje, há um mistério em torno da sinopse de 'Rainha do Mar', que seria da sua autoria, mas falaria sobre uma herdeira de uma grande fortuna que desapareceu em naufrágio. O anúncio ocupou diversos sites, que chegaram a citar Patrícia Pillar, Cláudia Abreu, Glória Menezes, Cauã Reymond, Lima Duarte, Fábio Assunção, Taís Araújo e Edson Celulari como protagonistas, contando até detalhes da história (Patrícia seria Paloma, a náufraga; Cauã, soropositivo, e, Glória e Lima, um velho casal de golpistas. Meses depois do anúncio dessa sinopse, lançaria AVENIDA BRASIL, em trama completamente diferente, que se transformou num grande sucesso das nove horas, tendo esta sido a novela mais exportada da história da teledramaturgia nacional.


foto: reprodução

OPINIÃO

Obviamente, AVENIDA BRASIL, que embora tenha dado voltas em cima de um ponto, marcou a teledramaturgia por duas facetas: apresentar uma mocinha atípica, de forte personalidade; e por ter tido a ousadia de mostrar um cenário que sempre foi evitado na teledramaturgia (o lixão). Em AVENIDA BRASIL ele melhorou a deficiência de seus trabalhos anteriores: deu importância agora, para as tramas paralelas, que principalmente em A FAVORITA ficaram soltas, sem um bom desenvolvimento.

Paulista de São Vicente, Michel Luiz Castellar 
é roteirista com 50 obras registradas


Leia o 1ºcapítulo da 

SÉRIE NOVELISTAS

com a autora de 

OS DEZ MANDAMENTOS,






0 comentários:

Postar um comentário

Ofensas não serão publicadas.