‘Mariana Godoy Entrevista’ debate a violência contra a mulher e o feminicídio

0
foto: Divulgação RedeTV!

Mariana Godoy recebeu o filósofo
Mario Sergio Cortella e Nadine Gasman,
representante da ONU Mulheres Brasil


Na semana em que foi comemorado ‘O Dia Internacional da Mulher’, o ‘Mariana Godoy Entrevista’ da última sexta-feira (10) debateu a violência contra a mulher e o feminicídio. O filósofo Mario Sergio Cortella, a representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, e a Coordenadora do Grupo Especial de Combate a Homicídios de Mulheres do Ministério Público do Rio de Janeiro, Lúcia Iloízio, participaram da atração. Vítimas de episódios de violência, as assistentes sociais Leni Ferreira Lemes e Giselle Paulino também estiveram no palco e compartilharam suas histórias. 

Machismo
Iniciando a conversa abordando a questão do machismo, Mario Sergio Cortella foi enfático: “O Brasil ainda é um país machista, mas o mais importante é que a gente entenda esse ainda, porque se a gente imaginar que é só uma afirmação, e assumirmos essa derrota, continuaremos sendo. Não devemos ser e não seremos”.  O filósofo também deu sua definição sobre o machismo. “O machismo pressupõe que o homem é superior à mulher, o feminismo defende a igualdade entre os sexos (…) Machismo não é o contrário de feminismo, o contrário de machismo é inteligência”. 

Ainda sobre o assunto, segundo  Lúcia Iloízio, o Brasil é um país violento, com um número expressivo de homicídios, o que não é diferente para as mulheres. “O medo impede a mulher de denunciar e buscar ajuda”. 

“A violência contra a mulher atinge todas as classes sociais, religiões”, defendeu Nadine Gasman, porta-voz da ONU Mulheres, que destacou a importância das mulheres vítimas de violência sentirem-se acolhidas pelas políticas públicas. Gasman também citou o ciúme como um dos principais sinais de violência contra a mulher. “Amor não é sofrimento, amor não é controle”, ponderou. 

Pobreza cultural
Cortella também chamou a atenção para o fato de que a “pobreza cultural” explica o machismo e comparou a postura da sociedade brasileira em relação a outros países do mundo. “Não há dúvidas de que a escola tem um papel fundamental nisso”. 

Questionada por Mariana Godoy a respeito de que maneira as políticas públicas poderiam ser ampliadas, Lúcia Iloízio afirmou: “Investimento maior, capacitação e uma capilaridade maior também, para que o serviço de saúde possa dar as primeiras orientações quando percebida uma situação de abuso”. 

Encerrando a atração com considerações dos convidados, a representante da ONU Mulheres fez questão de destacar: “a violência contra a mulher nunca é culpa da vítima”. 

O ‘Mariana Godoy Entrevista’ vai ao ar toda sexta-feira, às 22h45, pela RedeTV!
Assista ao programa


Curta
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.