‘EXCLUSIVO’: Protógenes Queiroz denuncia fraude em eleições ao ‘Mariana Godoy Entrevista’

0
foto: Divulgação +RedeTv! 

Mariana Godoy conversou com
o ex-delegado da Polícia Federal


Nesta sexta-feira (8 ), o ‘Mariana Godoy Entrevista’ exibiu uma conversa exclusiva com o ex-delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, que teve sua prisão decretada pela Justiça Federal de São Paulo na última semana. O ex-comandante da Operação Satiagraha, que em 2008 investigou crimes financeiros que resultaram na prisão do banqueiro Daniel Dantas e do ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta, foi condenado por vazamento de informações e violação de sigilo funcional em 2014. A entrevista foi gravada na Suíça, onde reside na condição de exilado político. “Não digo onde moro por obediência à legislação de proteção aos refugiados e exilados”, comentou Protógenes ao falar sobre sua nova condição. “Tenho uma vida simples e normal, embora as pessoas pensem que morar na Suíça é só luxo. (…) Vivo num prédio com outros asilados, de países em guerra como Síria, países da África, e me sinto muito honroso com meus vizinhos”.




A respeito do pedido de prisão, Protógenes disse ter “tomado ciência através da imprensa” e classificou que a juíza optou por uma medida “extrema e desproporcional”, já que, segundo ele, foi sugerido que a audiência para a qual ele havia sido convocado no Brasil fosse realizada via videoconferência. “Eu não posso sair [da Suíça] porque existe uma interdição, é uma legislação internacional”.

Ao relembrar a condenação por violação do sigilo na Operação Satiagraha, o ex-delegado foi enfático: “A Suprema Corte considerou que houve apenas vazamento de informação para a imprensa, que não se consubstanciou na divulgação de nenhum áudio, imagem, documento, apenas a constatação de meios de comunicação que registraram a execução da prisão de investigados na época. (…) Hoje condenar uma autoridade por divulgação de imagens seria um constrangimento”.

Justiça brasileira
Para ele, “a Justiça brasileira é dual”: “Fazíamos nosso trabalho e a Justiça se comportava de maneira totalmente diferente, a proteger criminosos com poder aquisitivo mais alto, de poder político mais forte. A Justiça privilegia até nos dias atuais esses tipos de criminosos”.

Questionado por Mariana Godoy a respeito da divulgação de informações da Operação Lava Jato na imprensa e sua semelhança com a Satiagraha, Protógenes avaliou que “a pressão sobre a Lava Jato vai aumentar”. “As matrizes da corrupção são as mesmas de 30 anos atrás, então considero que ela [Lava Jato] sofre o mesmo tipo de problema que a Operação Satiagraha sofreu, com uma vantagem: a população foi para as ruas exigir das autoridades uma conduta em prol da democracia, em prol da segurança jurídica, em prol do respeito à própria Justiça brasileira”.
foto: Divulgação +RedeTv! 

Ex-delegado Protógenes Queiroz
em entrevista exclusiva ao
‘Mariana Godoy Entrevista’

Sérgio Moro
Sobre as comparações com o juiz federal Sergio Moro, responsável pela condução das investigações da Lava Jato, Protógenes disse: “Me comparo ao Moro no cumprimento do dever. Essa alegação de que existe uma tendência política por trás para desqualificar o trabalho, eu sofri a mesma coisa”. O ex-delegado ainda defendeu que o futuro da Operação Lava Jato depende de “a lei valer para todos”.

Fraude nas eleições
Ao final da entrevista, ao responder uma pergunta de Mariana Godoy sobre o motivo de não ter sido reeleito deputado federal, Protógenes Queiroz disparou: “Nunca fui eleito por causa de fraude nas urnas eletrônicas”. E explicou: “Eu mesmo fui investigar minha fraude e consegui identificar um dos fraudadores. Denunciei isso, ele admitiu a fraude, feita em ambiente da empresa que é responsável pelo software das urnas. (…) Ele falou em detalhes como fraudou a minha e outras eleições, como a de governadores e a própria última eleição da presidente Dilma Rousseff”.


Assista na íntegra


Curta


Siga


Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.