sexta-feira, 21 de julho de 2017

Paula Jubé: "Aprendi que a Bíblia tem ensinamentos que mal entendemos ou negligenciamos, e passei a admirar ainda mais o tema narrado em novelas, filmes e seriados."

Entrevista
Paula Jubé


foto: Rodrigo Lopes

por Warlen Pontes
warlenpontes@hotmail.com

Quem nunca sofreu com desafios? Quem nunca passou por dilemas? A Raquel, interpretada pela atriz Paula Jubé no folhetim 'O Rico e Lázaro', da Record TV, responde afirmativamente a essas perguntas.

Capturada em Jerusalém, Raquel foi levada como cativa à Babilônia para servir à princesa Shamiran (Gabriela Moreyra). A sua intérprete, Paula Jubé, está no ar para mostrar que os desafios e os dilemas podem ser resolvidos quando se tem fé, que será testada a todo tempo.

Nesta semana, Paula despede-se das gravações da trama bíblica e aproveitou para falar sobre carreira e, claro, a personagem que tem ensinado a tantas pessoas, inclusive a ela. "As pessoas precisam reaprender a confiar, e nada melhor que ensinamentos que carregam sabedorias milenares para isso."

Com vocês, Paula Jubé:

TVaBordo: Paula, você fez Administração, depois CAL (Casa de Artes de Laranjeiras) - teatro, cinema e, depois, publicidade. De onde vem a vontade de fazer televisão, de interpretar outras vidas?
Paula JubéVem desde sempre, só faltava eu assumir para mim mesma. Estudei em uma escola muito forte e tradicional no Rio, não tinha o perfil. Era um peixe fora d'Água, mas acabei me deixando levar e me identificando com ser rebelde ali e contestar, ao invés de sair fora e procurar a arte que sempre me encantou. Acaba também que para agradar família, e com o medo que a mesma tem em relação ao seu futuro, você entra em cursos como administração. Hahahaha! Mas considero que cada passo foi preciso, essencial e perfeito no meu desenvolvimento pessoal.

TVaBordo: Você atuou com dois dos principais diretores teatrais da atualidade: Gilberto Gawronski e Augusto Boal, entretanto, abandou tudo para se dedicar (depois de um retiro espiritual) a uma empresa de empreendedorismo. Conta para a gente como aconteceu essa mudança em sua vida?
Paula JubéEu precisava de estrutura. Não conseguia me sustentar e me sabotava, cheguei a engordar bastante. Testes sempre eram "quase" ou "emagreça" e mesmo assim não emagrecia. Sempre me senti plena nos palcos mas a vida fora deles estava me engolindo; me encontrava angustiada e todos os meus amigos de infância (dessa escola rígida que estudei), advogados, médicos, engenheiros, dentistas, arquitetos, se realizando, saindo de casa.... Me vi infeliz comigo mesma. Uma grande amiga voltou desse retiro lendo aura, e eu que era bem cética me entusiasmei a ir conhecer. Lá conheci meu atual parceiro e iniciei uma trajetória com foco no meu desenvolvimento humano, uma busca por maturidade e por auto responsabilidade. Depois desse retiro iniciamos um projeto chamado Arca Urbana, uma comunidade de empreendedores, uma aceleradora de projetos de inovação que tinha como cunho o desenvolvimento humano e social. Novos negócios baseados em uma nova economia, circular e colaborativa. Evolui muito com essa experiência. Mas morri de saudade de atuar. Mesmo lá, sabia que meu dom é de atriz, todos ali falavam. Qualquer um que me conheça, sabe.

TVaBordo: Wow! Conta mais sobre a ARCA URBANA?
Paula JubéA Arca Urbana é uma aceleradora de inovação social que agora fez fusão com a maior rede de impacto social do mundo, o Impact Hub. Falamos de comunidade de empreendedores que possuem projetos de impacto positivo, de inovação. Pessoas que pretendem transformar a economia, inovar as formas e relações econômicas com propósito de impacto e responsabilidade social, e muita criatividade. 

foto: reprodução

#ORicoeLazaro

TVaBordo: Vamos falar de 'O Rico e Lázaro'. Você agora está de volta ao universo das artes na pele da Raquel. Como surgiu a personagem na sua vida? Fez teste, foi convidada...
Paula JubéEssa é a melhor parte da história. Chamo de o caminho do coração. Eu estava imersa nesse mundo empreendedor, e apesar de amadurecer tanto, me faltava algo, ainda me sentia um peixe fora d'Água, como na escola. Pude ter contato com todas as minhas feridas de infância e encará-las. Foi um processo mesmo. Depois de dois anos, conforme fui fazendo as pazes com situações do meu passado, recebi o convite para um teste de um filme. Quase passei. E a Gabi Rosales, que me convidou, pois me conhecia da época de atores da Record TV e confiava no meu talento, resolveu me indicar para mais testes. Quando a novela estava prestes a iniciar as gravações, a atriz que iria fazer a Raquel desistiu. A Gabi foi acionada pelo diretor e indicou oito meninas como sugestão. Ele me escolheu. Não fiz teste, acredito que ele tenha visto meu trabalho na época da oficina. Mas agora eu estava com os caminhos internos abertos para essa oportunidade. Passei três anos olhando para os nãos inconscientes... e sigo!

TVaBordo: A Raquel é uma personagem cheia de desafios pessoais e, também, de vários dilemas. Como foi construir uma figura tão complexa?
Paula Jubé - A questão é: quem não é cheio de desafios pessoais? O que eles se tornam variam de cada um. No caso dela foi a compulsão e bulimia. Nós somos cheios de questões, é só acessar. Quem nunca teve angústia, medo, dor, ansiedade...? Sentimentos primários que todos acabam encarando desde pequenos. Eles podem desembocar em qualquer máscara da personalidade, nossos personagens sociais, do dia a dia. É só acessar esse lugar comum em todos, e moldar essa "máscara" conforme a trama, e assim criamos uma personalidade. Fazemos isso uma vida inteira, o barato de ser ator é poder brincar com isso e entender a fundo a dinâmica da existência humana! Viramos alquimistas e brincamos de Deus! Essa criação torna-se uma brincadeira séria, pois mexe e espelha questões, mas você tem a oportunidade de entender as profundezas e superficialidades humanas, suas próprias, através dos personagens. E, sem dúvida nenhuma, esses personagens em algum lugar fazem parte de nós. Não sou a Raquel, mas a vejo invariavelmente em mim. Acessei minha angústia, momentos em que senti vazio, ansiedade.... somei à pesquisa, leitura e documentários. E ela foi nascendo no dia a dia das filmagens.

TVaBordo: Você respondeu parte da próxima pergunta... e se fôssemos colocar a Raquel e a Paula, uma ao lado da outra, quais seriam as diferenças e semelhanças entre elas?
Paula JubéSomos ambas muito pelo outro, pelo bem estar dos que estão ao redor, somos muito gulosas e até  compulsivas! Bem humoradas também. Não sou medrosa como a Raquel, e atento muito a minha fé na vida, em mim mesma. Não ligo nada pra vaidade e não me deslumbraria no palácio, já ela... ficou perdidinha. Hahahahaha!


foto: reprodução

Paula Jubé em cena com
Sacha Bali em 'O Rico e Lázaro', 
Record TV/2017

TVaBordo: A Raquel presenciou uma das cenas mais tocantes da novela, a sequência da #fornalhaardente. Como você lida com esse lado espiritual das histórias bíblicas? O que você tem aprendido com a Raquel?
Paula JubéAcho de um aprendizado inenarrável. Muito tocante e muito inspirador. Uma lição de fé, de não abdicar do que sente e de seus valores. Até onde a nossa fé, em nós mesmos, no milagre da vida, uns nos outros, vai. Até que ponto o "eu acredito" é do coração ou apenas da mente, ou seja, da boca pra fora? Quantas vezes persistimos em algo que dizemos merecer e acreditar mas no fundo não acreditamos com o coração? Não temos Confiança. Esse episódio me remeteu a tudo isso. A fé dela é testada, ela sempre diz ter fé, mas segue sempre ansiosa e se comparando às demais mulheres, se colocando pra baixo. Ali fica claro pra ela que ela não confiava de coração. E isso a transformou. Talvez passemos por fornalhas na nossa vida, que mostram o quanto não temos fé, confiança na vida, que tudo é perfeito e vem para nossa evolução. Mas não percebemos os sinais, e seguimos nos comparando uns aos outros, julgando, culpando. Essa passagem da novela foi um dos maiores presentes que recebi da vida. E consequentemente, a Raquel foi! Aprendi que a Bíblia tem ensinamentos que mal entendemos ou negligenciamos, e passei a admirar ainda mais o tema narrado em novelas, filmes e seriados. As pessoas precisam reaprender a confiar, e nada melhor que ensinamentos que carregam sabedorias milenares para isso. Acho também que breca o preconceito das pessoas com temas religiosos. Há algo muito mais profundo ali que religião, o ensinamento em si.

TVaBordo: O que pode nos contar sobre o destino da Raquel?
Paula Jubé - A Raquel já está na reta final da novela. Depois desse episódio da fornalha, ela realmente tem uma reviravolta interna e conquista seus sonhos!

TVaBordo: Até agora, qual é a sua cena preferida?
Paula Jubé - A fornalha, sem dúvida. Não pela interpretação, mas pelo conjunto da obra e pelo ensinamento e força que transmite. 


foto: Munir Chatak

Paula Jubé como Raquel
novela 'O Rico e Lázaro',
Record TV, 2017

TVaBordo: Alguma história engraçada de bastidores para compartilhar com o público de O Rico e Lázaro?
Paula Jubé - Em uma das últimas cenas da personagem, que deve ir ao ar já, já, ela está em um evento como uma das protagonistas. O elenco quase todo está lá. Em um momento, eu achava que estava gravando só por trás, e brinquei com o Nicolas (Abednego), colocando a mão no rosto dele, fazendo careta para o elenco. Estávamos de frente pro elenco e, de repente, vi o rosto de todos congelando em sorrisos sem graça! Só não podiam falar nada pois estavam gravando. No corta, todo mundo riu. Estava gravando toda a palhaçada que eu estava fazendo.
Casamento de Shamiran (Gabriela Moreyra)
A novela toda foi muito engraçada, todos muito divertidos. Lembro também de no casamento de Shamiran (Gabriela Moreyra), o Heitor (Martinez) lendo o roteiro para o diretor como narrador de futebol. A gargalhada é geral, sempre.
Comilança de Raquel
Em vários momentos de comilança da Raquel, eu tinha que repetir as cenas. Às vezes, com frango assado, pasta... sempre que tinha que refazer a ridas dos técnicos era geral. Como comi!
Fran escorregou no tapete
Tem uma cena que foi ao ar há pouco tempo, que a Namu vai à sala dos sábios contar sobre a prisão de Joaquim (Osmar Silveira) à Raquel, Lia, Matias e Dalila. A Fran que faz a Namu vinha falando correndo e escorregou no tapete... levou um tombo hilário! Quem disse que a gente conseguia gravar? Toda vez que ela vinha correndo e parava, caíamos na gargalhada. Repetimos umas cinco vezes e, mesmo assim, tendo que picotar, porque começava aquele sorriso desconcentrando de um para o outro, errar a fala e, rir. Ataques de besteira coletiva gostosos, como esse, formam o clima!

TVaBordo: Como tem sido a repercussão da Raquel nas ruas e nas redes sociais? Alguma abordagem interessante para contar? Algo que lhe chamou atenção?
Paula Jubé - Recebo muito carinho no INSTAGRAM. Na rua tem sido tranquilo. Uma vez no salão, ofereceram biscoito falando que se fosse a Raquel, aceitava.

TVaBordo: Convide a galera para assistir 'O Rico e Lázaro'.
Paula Jubé - Tem muita coisa para acontecer e nos surpreender ainda na novela! É imperdível até o finalzinho, surpresas emocionantes!

Vamos conhecer um pouco mais da Paula Jubé? 


foto: Rodrigo Lopes

JOGO RÁPIDO


Um ator inspirador:
Matheus Nachtergaele.

Uma atriz inspiradora:
Meryl Streep.

Uma novela inesquecível:
'Quatro por Quatro', de Carlos Lombardi.

Um filme que se deve assistir sempre:
Qualquer um do FELLINI.

Uma canção eterna:
O hino nacional brasileiro.

A trilha sonora da minha vida:
'Como uma Onda no Mar', Lulu Santos.




Um livro inesquecível...
'Cem Anos de Solidão'.

Se pudesse voltar ao tempo, 
voltaria a viver como em...
Ah, só viveria no agora.

Gostaria de interpretar a personagem 
da literatura...
Do filme 'Blade Runner'.

Tenho saudades dos...
Meus avós.

Um ditado, uma frase ou um verso...
"Você está onde você se coloca."

Eu sou uma mulher...
Que gosta de se descobrir
através das relações, amizades
a dois, profissionais e parentais.

A todos os meus fãs...
"É só o amor".

#PaulaJubéNoTVaBordo

Entrevista em parceria
com a Assessora



Curta

Siga

0 comentários:

Postar um comentário

Ofensas não serão publicadas.