Reportagens do ‘Câmera Record’ recebem prêmio do Ministério Público do Trabalho 2017

0
fotos: Divulgação +RECORD TV
“As Casas da Escravidão” e 
“Rota da Castanha, Exploração Sem Limites” 
venceram em categorias importantes
Duas reportagens produzidas pelo Câmera Record foram vencedoras do Prêmio MPT de Jornalismo 2017, entregue na noite desta quinta-feira (17/08), na sede do Ministério Público do Trabalho, em Brasília. O programa “As Casas da Escravidão” foi premiado duas vezes, como Melhor Trabalho em Telejornalismo nas categorias Sudeste e Nacional. O cinegrafista Leopoldo Moraes, por sua vez, ganhou como Melhor Imagem, na categoria Sudeste, com “Rota da Castanha, Exploração Sem Limites”. No total, foram premiadas 34 reportagens, selecionadas dentre mais de 400 inscritas, que abordaram o tema direito trabalhista.

foto: Divulgação +RECORD TV 

Marcelo Magalhães, Ana Haertel,
Romeu Piccoli e Daniel Motta
As Casas da Escravidão
Para produzir “As Casas da Escravidão”, durante três meses Ana Haertel, Daniel Motta, Romeu Piccoli e Marcelo Magalhães investigaram o trabalho escravo na cidade de São Paulo, em uma das apurações mais complexas já realizadas até então sobre o tema na cidade mais rica do País. A equipe flagrou 22 confecções clandestinas e numa dessas oficinas, o repórter Daniel Motta conseguiu uma vaga de emprego, disfarçado de imigrante nordestino recém-chegado. Ele foi contratado sem carteira assinada e teve que trabalhar 14 horas por dia, com a promessa de receber no final do mês um salário de cerca de R$ 400. “Às seis horas da manhã eu tinha que acordar. Ganhei um café e um pão amanhecido, duro, para começar o trabalho”, conta. O programa foi editado por Marcelo Magalhães, Caio Laronga e Lucas Mioni; a finalização é de Natália Fiorentino.
foto: Divulgação +RECORD TV 

Repórter cinematográfico
Leopoldo Moraes

Rota da Castanha
O prêmio de Melhor Imagem entregue ao repórter cinematográfico Leopoldo Moraes foi concedido pelas imagens reveladas no programa “Rota da Castanha, Exploração Sem Limites”, que teve como tema as condições desumanas de trabalho na quebra da castanha no agreste brasileiro. Os repórteres revelaram como várias gerações são exploradas na produção desse produto, um trabalho pesado e realizado sem equipamentos de segurança, o que compromete severamente a saúde dessas pessoas. Dentre as cenas marcantes do programa, as mãos sujas e machucadas, tão feridas que os trabalhadores perdem suas digitais e não conseguem sequer tirar o Registro Geral (RG). A equipe da reportagem inclui ainda Renê Batista, Daniel Motta, Ana Haertel e Fabiana Lopes.
O Câmera Record é produzido pelo Núcleo de Reportagens Especiais da Record TV, dirigido pelo chefe de redação Rafael Gomide. Pablo Toledo é editor-chefe e Gustavo Costa editor executivo.


Curta

Siga
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here