“Passei minha vida inteira sendo conhecida como conhecido”, comenta Laerte Coutinho em entrevista ao ‘Documento Verdade’

0
Laerte Coutinho é destaque no 'Documento Verdade'
(Foto: Divulgação/RedeTV!)

O ‘Documento Verdade’ desta sexta-feira (27) vai abordar a transexualidade e, entre os depoimentos, a cartunista Laerte Coutinho fala da luta diária contra o preconceito e explica como lida ao ser chamada no feminino ou no masculino pelas pessoas. 

“Passei minha vida inteira sendo conhecida como conhecido. Passei minha carreira toda vinculada a uma pessoa masculina, então eu respeito isso. Gosto da minha história também”, pontua ela, explicando que não tem a intenção de ser reconhecida como uma mulher. “Não sou mulher, sou uma pessoa trans. Tenho essa vivência no feminino, mas não sou uma mulher. Inclusive, isso é objeto de alguma hostilidade, como se eu estivesse pretendendo ser reconhecida como uma mulher 100% mulher, coisa que não existe. (…) Me apresento como uma pessoa transgênero, como uma mulher trans”, afirma.

Ativista, ícone da luta LGBTQ+, pai e avô, a cartunista conta durante o programa como o neto vê a questão de sua identidade. “Não tenho problema em ser pai, não tenho problema em ser avô também, e sou uma mulher. O meu neto entende isso, sabe disso. Ele tem um jeitos muito engraçados de formular isso: ‘você é menino e menina, né?’. E eu digo que sou”.

Questionada se há diferença entre a Laerte crossdresser e agora, como mulher trans, ela afirma: “Em termos de cabeça, nenhuma. Eu não virei outra pessoa, sou a mesma pessoa mais satisfeita, mais tranquila, e por causa disso estou pensando melhor. Meu trabalho não se transformou porque agora sou mulher, se transformou porque agora estou tranquila em relação às coisas que eram angustiantes para mim e eu não sabia”, comenta a cartunista, que ainda relembra a primeira vez que saiu às ruas com roupas femininas. “Eu comecei com uma minissaia, umas coisas assim mais modestas. Eu não usava seio, eu basicamente fui com uma saia – uma minissaia – na padaria, e já levei um fiu fiu de uma Kombi que passou”.

Ainda na entrevista, Laerte destaca a importância de sua exposição diária na mídia para a conquista da liberdade de expressão. “Não estamos falando da minha vida, estamos falando da vida de milhões de pessoas. E não só as pessoas que estão se expressando de forma transgênera, são as pessoas que ainda vão se expressar. É a liberdade que estamos tentando conquistar para todo mundo”.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here