De Juan Mayorga ‘A Tartaruga de Darwin’ estreia no Sesc Ipiranga

0
a tartaruga de darwin
foto Divulgação

A TARTARUGA DE DARWIN

com Ana Cecília Costa, Marcos Suchara, Tuna Dwek e Diego Machado
De Juan Mayorga
Direção Mika Lins

Ana Cecília Costa interpreta segundo texto do premiado autor espanhol que faz uma reflexão crítica sobre a condição humana e sua trajetória sobre o planeta, promovendo uma reflexão necessária e urgente sobre nossas escolhas como sociedade

Autor espanhol premiado e de grande prestígio no teatro contemporâneo, Juan
Mayorga tem formação eclética e consistente (matemática, filosofia e teatro) e
faz da sua dramaturgia uma arena política e filosófica, onde temas caros ao
debate são postos em cena. Com o texto A Tartaruga de Darwin não é diferente.
Mayorga utiliza-se do recurso da fábula animalizando a protagonista (como nas
obras de Franz Kafka) para, através da centenária tartaruga, rastrear o caminho
percorrido pela humanidade e fazer uma reflexão crítica sobre o que resultou
desta trajetória.

A história

Em tom de fábula contemporânea, a peça conta a história de um famoso
historiador que recebe a visita de Henriqueta, uma enigmática senhora que se
apresenta como a centenária tartaruga capturada pelo cientista inglês Charles
Darwin nas Ilhas Galápagos e que serviu de pesquisa para a criação da “teoria
da evolução das espécies”.

Prestes a completar duzentos anos, Henriqueta sobreviveu a uma série de
marcos históricos como a Revolução Industrial, duas guerras mundiais, queda do
muro de Berlim, entre outros. A tartaruga “evoluiu” e tornou-se uma velha
senhora, cujo maior desejo agora é voltar para sua casa, as Ilhas Galápagos, e
morrer em paz longe da civilização. Henriqueta vai ao encontro do Professor e
propõe um acordo: ela lhe conta tudo que sabe sobre a História e, em troca, ele
a ajuda no seu retorno a Galápagos. Sendo uma testemunha peculiar, já que
conhece a História de baixo, do ponto de vista do chão, dos “renegados”, seu
relato irá surpreender o Professor, porta voz da História oficial.

Tartaruga

O interessante neste texto é que a História é revista sob o ponto de vista da
tartaruga que, simbolicamente, representa os sujeitos excluídos que vivem na
base da pirâmide social, à margem da narrativa oficial. “Não vamos fazer
silêncio porque temos memória. O teatro é uma arte da memória. Recordamos
todas as guerras desde os gregos. Todas as vítimas, cada uma delas. E todas
elas estão hoje, novamente, em perigo”, afirma o autor.

Com clara influência do pensamento de Walter Benjamim, Mayorga mostra uma
história tecida por relatos e pequenos gestos anônimos, onde o que importa é a
memória íntima. A Tartaruga de Darwin debate de forma bem humorada,
criativa e inteligente a crise política, ética, ecológica em que a civilização
ocidental está mergulhada (guerras, êxodos, fome, colapso ecológico). Ao final
do texto, Henriqueta questiona: “De todos os animais, o homem é o mais idiota
e nocivo. Por onde quer eu olhe, só vejo gente que se comporta como bestas e
gente sendo tratada como bestas. Charles previu isso. Previu que o homem
evoluiria até a monstruosidade. Vamos ver se com a mudança climática surgem
mutações humanas decentes.”

Sobre A origem das espécies

A publicação de “A Origem das Espécies” por Darwin em 1859 produziu a maior
revolução intelectual desde a proclamação do Cristianismo. A intervenção
sobrenatural foi substituída pela seleção natural. A luta pela sobrevivência gera
o aprimoramento e surgimento de novas espécies, essa é a razão da riqueza e
diversidade do mundo biológico. As espécies não são fixas, elas mudam,
evoluem e passam o novo código genético para as futuras gerações. Os
indivíduos que melhor se adaptam ao meio, sobrevivem, reproduzem e
transmitem sua característica genética às futuras gerações. A Natureza é a
senhora da vida, destrona o ser humano do papel central que ele ocupava. As
discussões que o livro desencadeou se disseminaram rapidamente entre o
público, criando o primeiro debate científico internacional da história. Na história
da Biologia é difícil imaginar um livro mais importante que “A Origem das
Espécies”, que mudou fundamentalmente e permanentemente nossa visão da
Natureza.

Sobre a Tartaruga

Harriet (1830 – 2006) foi uma famosa fêmea tartaruga de Galápagos, que
atingiu a idade estimada de 176 anos no momento de sua morte. Curiosamente,
durante mais de um século, acreditava-se que a tartaruga era um macho, sendo
chamado Harry até que o tempo revelou o seu verdadeiro sexo.

Em princípio pensou-se que Harriet foi capturada por Charles Darwin em 1835
nas Ilhas Galápagos. No entanto, a história sobre Darwin é provavelmente
apócrifa. Embora Darwin tenha pegado três tartarugas e levou-as de volta para
o Reino Unido a bordo do HMS Beagle, testes genéticos indicam que Harriet
pertencia a uma subespécie endémica das Ilhas Galápagos que não foi visitada
por Darwin.

Raymundo de Souza: “Casem-se com quem vocês gostem de conversar e dar risadas juntos, isso faz muita diferença.”

Harriet

Harriet viveu por 99 anos no Jardim Botânico da cidade de Brisbane, em
Queensland (Austrália), e mais tarde foi transferido para a Austrália Zoo, de
propriedade Crocodile Hunter Steve Irwin, onde viveu até seus últimos dias. Em
15 de novembro de 2005, seu aniversário de 175 anos foi realizado no Zoo da
Austrália, com uma celebração muito anunciada. Finalmente, Harriet morreu em
25 de junho de 2006, devido à insuficiência cardíaca após uma breve doença.
“Viver é adaptar-se”.

A TARTARUGA DE DARWIN
Sesc Ipiranga (200 lugares)
Rua Bom Pastor, 822
Telefone: (11) 3340.2000 | www.sescsp.org.br/ipiranga
Bilheteria: De terça a sexta das 12h às 21h, sábado das 10h às 21h30 e domingo e feriado das 10h às 18h (ingressos à venda em todas as unidades do Sesc e pelo Portal Sesc SP
(www.sescsp.org.br). Não tem estacionamento.
Sexta e Sábado às 21h
Domingo às 18h

INGRESSOS
R$ (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante)
R$ (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes)
Duração: 70 minutos
Recomendação: 14 anos
Estreia dia 17 de Novembro de 2017
Curta Temporada: até 17 de Dezembro

FICHA TÉCNICA
Texto Juan Mayorga
Direção Mika Lins
Elenco Ana Cecília Costa, Marcos Suchara, Tuna Dwek e Diego Machado
Assistente de Direção Daniel Mazzarolo
Direção de Produção Dani Angelotti
Assistente de Produção Cida Serafim
Cenário e Figurino Cássio Brasil
Luz Wagner Antonio
Trilha Sonora Daniel Maia
Assessoria de imprensa Morente Forte
Produtoras associadas Dani Angelotti e Ana Cecília Costa
Realização Cubo Produções

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here