Antes de partir para a Rússia, Galvão Bueno participa do ‘Conversa com Bial’

0

Com a palavra, Galvão Bueno

Galvão
foto Ramón Vasconcelos // Galvão Bueno

Ele está prestes a cobrir sua 12ª Copa do Mundo. Ao longo de mais de 40 anos, se tornou a voz e o rosto de momentos marcantes da história do esporte nacional: nas narrações das vitórias de Ayrton Senna na Fórmula 1, nas emoções de gols memoráveis em Copas do Mundo e também em momentos de tristeza, como a tragédia da Chapecoense. Adorado por muitos e criticado por tantos outros, Galvão Bueno tem a difícil missão de transmitir, na maior parte do tempo, jogos de futebol em um país que, reza a lenda, tem mais de 200 milhões de técnicos, entre eles o apresentador e o público do ‘Conversa com Bial’ desta quinta-feira, dia 31.

 No primeiro encontro entre Bial e Galvão, uma quadra de basquete era o palco e o apresentador era, à época, jogador. “Você era empolgado demais em quadra. Teve a sorte de eu não ter te marcado”, brinca o narrador, que já praticou, ao longo da vida, futebol, atletismo, natação, basquete, handebol, vôlei, hipismo, tênis e golfe. No “quesito” automobilístico, Bial entrega o amigo e diz que ele pisa fundo nas estradas.

LEIA TAMBÉM

Globo conquista liderança absoluta de audiência com cobertura da greve

Além de memórias, Galvão Bueno conquistou também diversas amizades dentro do meio esportivo. Pelé fez questão de visitá-lo no hospital quando sofreu um acidente quando cavalgava. Outro grande nome da história brasileira que tinha intimidade com Galvão era Ayrton Senna. Entre jantares com amigos e passeios em família, os dois dividiam também os fins de semana de Grande Prêmio. Assim foi em Ímola, na Itália, local em que o piloto foi vítima de um acidente fatal. “Pouco antes de me despedir, no domingo, ele pediu ao seu empresário uma bandeira da Áustria. Ele disse: ‘Eu vou ganhar a corrida e quero fazer uma homenagem ao Ratzenberger (piloto que morreu nos treinos, no sábado)’. Fui testemunha disso”, conta.

Seus amigos também têm histórias pra contar sobre Galvão. Um deles é Ingo Ostrovsky, diretor de conteúdo do ‘Conversa com Bial’ e autor do livro “Fala, Galvão”, que está sentado na plateia para uma revelação: “Se não fosse o que é, Galvão seria médico. Se a pessoa respira do lado dele, ele quer saber o que você tem, o que tomou, ele sabe como está o seu coração, o seu fígado. É um médico de mão cheia”, afirma o jornalista. E Galvão confirma: “Sou completamente hipocondríaco”.

Antes de partir para a Rússia, Galvão Bueno, admirador de todo o trabalho realizado por Pedro Bial, faz um pedido especial: “Manda umas crônicas durante a Copa pra eu poder ler no ar?”

Exibido após o ‘Jornal da Globo’, ‘Conversa com Bial’ tem direção artística de Monica Almeida e direção de conteúdo de Ingo Ostrovsky.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.