‘Conversa com Bial’ faz homenagem a Arlindo Cruz e entra no universo Ed Motta

0

Além da homenagem a Arlindo Cruz, até o fim de semana, ‘Conversa com Bial’ reúne Vampeta e Harmonia do Samba também 

homenagem a Arlindo Cruz
foto Fábio Rocha

Já faz um ano e meio que ele precisou parar. Um AVC já não o deixa mais cantar nem compor. Mas tudo o que construiu ao longo de uma vida dedicada ao samba está mais forte do que nunca e, no que depender da esposa, do filho, dos amigos e dos fãs, ficará eternizado. Arlindo Cruz completa 60 anos nesta sexta-feira, dia 14, e na noite anterior, dia 13, quinta-feira, o ‘Conversa com Bial’ presta uma homenagem em vida como deve ser: com samba, parceiros de vida, memórias e alegria.

Ubirany

Quem pisa no palco para reverenciá-lo não perde a oportunidade de lembrar o quanto Arlindo é um símbolo para nossa música e nossa arte. Para Ubirany, companheiro dos tempos de Fundo de Quintal, “ele é um dos caras mais representativos do samba que existe no Brasil, é um grande intérprete, tem aquela voz que parece pequena, mas que é imensa, só faz coisa bonita, consegue aliar quantidade a qualidade”.

Sombrinha

Com a honra de ter feito cinco álbuns como dupla de Arlindo, Sombrinha define assim o amigo: “Arlindo é musicalmente rico, não só na poesia, mas também na melodia”, explica o músico, que ainda revela que os dois não se deram bem logo de cara e que foi preciso um tempo para que se tornassem amigos. “Ele me achava metido e eu achava ele chato”, conta.

LEIA TAMBÉM

Globo lança ‘Espelho da Vida’ em prédio tombado pelo Patrimônio Histórico, no Rio

Xande de Pilares

De outra geração, Xande de Pilares guarda com carinho os detalhes do dia em que compôs pela primeira vez com o mestre. “Eu tinha uma melodia guardada há um tempo e, no dia em que fui para a casa do Arlindo, já fui nervoso. Quando chegamos lá, apresentei a melodia de ‘Samba de Arerê’ e ele veio com refrão na hora. Ele ligou pra Beth (Carvalho), pra ela gravar. Fui à gravação e, quando Beth falou ‘meu samba é de muito axé’, meu telefone tocou com a notícia de que meu filho tinha nascido”, detalha o artista.

Arlindo Cruz

Se os amigos têm muito a dizer sobre o cantor – como também fazem Beth Carvalho e Zeca Pagodinho em depoimentos -, o filho Arlindinho tem uma vida inteira para contar. “Muitas vezes via meu pai cantando, reclamando de dor e, quando chegava no palco, ele ficava bem, levantava e sorria. O maior exemplo, ele me mostrou na prática. Essa música (‘O show tem que continuar’) é como um mantra pra mim. Ele sempre foi um guerreiro, é trabalhador da música, do samba, e o samba está continuando”, afirma Arlindinho, que promove uma nova turnê, intitulada “60 anos de vida. 40 anos de samba”, com estreia em São Paulo, nesta sexta-feira. Outro presente para este poeta do samba surge no palco do ‘Conversa’, pelas mãos da bateria da X-9 Paulistana, que desfilará, no Anhembi, um samba-enredo sobre a trajetória de Arlindo Cruz.

Sequência musical

Além do programa em homenagem ao cantor, Pedro Bial encerra a semana com mais duas atrações musicais. Nesta quarta-feira, dia 12, o grupo Harmonia do Samba, liderado por Xanddy, relembra sucessos e histórias da fase em que ainda ensaiavam em lugares mais modestos, na Bahia. Dessa época, o ex-jogador Vampeta lembra bem, já que morava ao lado de onde aconteciam esses ensaios.

Xanddy

Antes da carreira de ambos decolar, dividiram a mesma experiência como vendedores de picolé, ainda jovens. Já no auge, outro momento do então jogador fez história. “Sobre o penta, vou ter que ser sincero: o que me marcou foi a sua comemoração. E você estava num estado meio Compadre Washington”, brinca Xanddy sobre as famosas cambalhotas do amigo na rampa do Palácio do Planalto. O voo de volta da Copa do Mundo de 2002, as comemorações no Brasil, as polêmicas com outros clubes e até o ensaio nu são assuntos que fazem a graça do papo entre os três.

Ed Motta

Já na sexta-feira, dia 14, um dos nomes mais reconhecidos da música brasileira chega ao programa. Com o que o jazz, o soul, a bossa nova e outras vertentes podem apresentar, Ed Motta fez sua carreira por aqui e traçou uma história de sucesso fora do país também. “Como compositor e músico, Cassiano me influenciou mais – ele é mais Stevie Wonder, e meu tio (Tim Maia) era mais James Brown”, explica ele sobre aqueles que contribuíram para sua formação.

Um colecionador compulsivo – já são mais de 30 mil discos de vinil em casa -, o cantor lançou, recentemente, o álbum “Too Slow To Disco Brasil: Compiled by Ed Motta”, projeto do alemão DJ Supermarkt, e terá mais dois trabalhos lançados ainda neste mês. Na atração, ele se apresenta e conta ainda com a participação especial de Sandra de Sá, uma das artistas que também fazem parte de sua formação musical.

Exibido após o ‘Jornal da Globo’, ‘Conversa com Bial’ tem direção artística de Monica Almeida e direção de conteúdo de Ingo Ostrovsky.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.