‘Como Será?’ desembarca na cidade histórica de São Cristóvão, em Sergipe

0

Além da visita a São Cristóvão, programa se despede da série ‘Heróis possíveis para causas impossíveis’, fala sobre xadrez e apresenta soluções para crianças que precisam de próteses 

São Cristóvão
raça São Francisco em São Cristóvão | Foto: Adilson Andrade

São Cristóvão

O ‘Como Será?’ deste sábado, dia 8, vai a São Cristóvão, em Sergipe, mostrar como é passar férias numa cidade histórica repleta de casarios da época do Brasil colônia. Neste episódio de ‘Partiu Férias’, o telespectador vai conhecer o município, que fica perto de Aracajú, e saber mais sobre um dos quitutes mais famosos do local: a queijadinha, uma receita criada pelos escravos, que faz o maior sucesso.

Zeneide Lima

O último episódio da série ‘Heróis possíveis para causas impossíveis’, apresenta a história de Zeneide Lima. Compositora e escritora, ela criou, há 20 anos, a Instituição Caruanas do Marajó Cultura e Ecologia, um projeto que funciona no meio da Floresta Amazônica, na Ilha do Marajó, no Pará. Com o objetivo de educar crianças e evitar a evasão escolar, Zeneide ensina aos alunos a importância da ecologia, além de incentivar a cultura local, por meio da cerâmica marajoara e de danças típicas, como o carimbó. Aos 84 anos, Zeneida também atua como pajé e faz curas por meio de rituais que simbolizam a manifestação das forças da natureza.

LEIA TAMBÉM

Grupo Globo leva séries inéditas e novidades à Comic Con Experience 2018

Hoje é Dia de Xadrez

No quadro ‘Hoje é dia de xadrez’, Alexandre Henderson aprende, junto com os telespectadores, segredos e estratégias do jogo com o mestre internacional de xadrez Christian Toth. Durante a reportagem, Alexandre conta como esse jogo inspirou o escritor Stefan Zweig a produzir seu último livro, o ‘Novela de Xadrez’ – a primeira obra literária conhecida por usar o xadrez como tema central e fazer uma metáfora do que é a própria vida.

Xeque-Mate

Na Ilha de Paquetá, um pacato bairro no Rio de Janeiro, ele apresenta o ‘Xeque-Mate’, um projeto implantado em uma escola municipal, que ensina crianças a jogarem xadrez, além de associar a dinâmica do jogo às matérias do currículo, desenvolvendo o raciocínio rápido e estratégico dos alunos. No mundo da moda, o xadrez também tem seu espaço de destaque. Para mostrar isso, ele foi a uma faculdade de Design de Moda para contar a história de algumas das estampas mais famosas do mundo.

Mão Dada

O repórter Renato Cunha mostra como a parceria entre a tecnologia da informação e a terapia ocupacional pode fazer a diferença na vida das pessoas. Para isso, ele apresenta o projeto ‘Mão Dada’, criado pela engenheira de produção Olga Saadi, que desenvolve próteses 3D para crianças pacientes do SUS, que não podem pagar pelo equipamento. Por meio da iniciativa, as crianças podem, inclusive, escolher as cores e customizar as próteses.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.