Caixa Cultural do Rio de Janeiro recebe espetáculo “Lívia”

0

COLETIVO PRETO, além de apresentar o espetáculo Lívia, também exibe o infantil “Boquinha… E assim surgiu o mundo”, com temporada de 08 a 17 de fevereiro

espetáculo Lívia
foto Amanda França

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 08 a 17 de fevereiro (de sexta a domingo), o Coletivo Preto com dois espetáculos Lívia e o infantil “Boquinha… E assim surgiu o mundo” em curta temporada.

Espetáculo Lívia

O espetáculo Lívia tem texto do autor angolano Licínio Januário, com a colaboração da atriz Sol Menezzes. A peça conta a história do casal Lívia e Felipe, do início ao fim de suas vidas, propondo uma reflexão sobre como os relacionamentos podem modificar e (re)definir a nossa vida, com direção de Drayson Menezzes e Orlando Caldeira.

A trama

Interpretados pelos próprios autores,  o espetáculo Lívia é um retrato poético da trajetória de uma mulher, tão simples e incrível quanto qualquer outra, que vê seus planos serem completamente alterados pelos acontecimentos que sua vida lhe impõe. Primeiro espetáculo autoral do Coletivo Preto, a montagem estreou em maio de 2017, no Rio de Janeiro, e teve duas temporadas na capital carioca, além de uma no Teatro Parlapatões em São Paulo, pela qual Sol Menezzes foi indicada a atriz revelação e Gabriel Prieto a melhor iluminação pelo renomado critico Miguel Archanjo.

Coletivo Preto

Após o sucesso de público de “Será Que Vai Chover”, último espetáculo da cia, que encerrou sua temporada com duas apresentações extras, o Coletivo Preto retorna em cartaz com seus outros dois espetáculos!

Caixa Cultural do Rio de Janeiro

As apresentações na CAIXA Cultural RJ ocorrem de 08 a 17 de fevereiro, nos horários de sexta e sábado às 19h, e domingo às 18h. O grupo promove também um bate-papo com o público após as sessões de sábado (dias 9 e 16).

Para crianças:

Monólogo escrito por Lázaro Ramos, e dirigido pelo próprio Lázaro Ramos e Suzana Nascimento, o espetáculo infantil “Boquinha… E Assim Surgiu o Mundo” terá duas apresentações aos domingos, dias 10 e 17 de fevereiro, às 16h. Encenado por Orlando Caldeira, conta a história do surgimento do mundo inspirado em mitologias e lendas de diferentes culturas. Em uma montagem que une o circo, teatro e música, Boquinha, um pequeno ser feito de dobraduras de papel, guia as crianças em uma mágica viagem pelo mundo.

Boquinha

BOQUINHA, terceiro espetáculo de Lázaro ramos dedicado ao público infantil, estreou em 2016, no Rio de Janeiro, e foi vencedor nas categorias Melhor Ator e Preparação Corporal no Prêmio CBTIJ de Teatro Infantil, além de outras quatro indicações nas categorias melhor espetáculo, melhor texto, trabalho de formas animadas e melhor cenário.

Sobre os atores:

O Coletivo Preto surgiu em 2016 e é formado por quatro jovens atores, escritores, circenses e produtores negros: Drayson Menezzes, Licínio Januário, Orlando Caldeira e Sol Menezzes. O Coletivo, que hoje possui três espetáculos, tem como intuito produzir, fomentar e divulgar trabalhos nos quais coloquem o homem e a mulher negra em papeis de protagonismo.

Sol Menezes

Sol Menezzes é atriz, modelo e produtora, natural de Porto Alegre (RS), vinda de uma família de artistas, começou a estudar teatro aos 8 anos de idade. É uma das produtoras da ocupação teatral “Segunda Black” indicada o Prêmio Shell 2018. Foi indicada também ao prêmio de melhor atriz revelação pelo crítico Miguel Arcanjo/SP pelo seu espetáculo “Lívia”, onde ela escreveu, produziu e atuou. Participou dos espetáculos teatrais “Os Insones”, com direção de Erika Mader e texto de Tony Belotto; “As Paparutas” escrito por Lázaro Ramos e dirigido por Luiz Antônio Pilar, “Jacques e a Revolução”, dirigido por Theotônio de Paiva. No audiovisual esteve na série Desnude para o canal GNT com direção de Carol Jabour, no filme “Nada a perder” com direção de André Avancini, fez participação na novela “Apocalipse” da Record TV. Entre seus curtas-metragens estão “Ted e Hanna”, “Meio disso” e “Os monstros estão na pista”. Também protagonizou o video clipe “Ogum” do grupo “3030”.

LEIA TAMBÉM

Mariana Santos estreia ‘Só de Amor…’ no Teatro Porto Seguro

Licínio Januário

Natural de Angola, residente no Brasil há 10 anos, Licínio Januário é ator, roteirista, produtor cultural e instrutor de capoeira. Um dos curadores da ocupação teatral 2ª Black, indicada ao Prêmio Shell (2018). Premiado melhor ator da 19ª edição do Festival de Teatro do Rio de Janeiro, participou de produções teatrais como “Romeu na roda” (2013), direção de Claudio Gonzaga, “O baile dos capoeiras” e “A Alma encantadora das ruas”, direção de Regina Miranda (2014); “Banquete com Balada”, direção de André Monteiro (2016); “Favela, o musical”, dirigido por Marcio Vieira (2017); “Guanabara Canibal”, dirigido por Marco André Nunes (2017) e “Rose”, dirigido por Vinícius Arneiro e indicado ao Prêmio Shell (2018). Seus trabalhos autorais como dramaturgo, ator e produtor são “Lívia”, direção de Orlando Caldeira e Drayson Menezzes (2017) e Será que Vai Chover?, direção de Orlando Caldeira (2018). Seus trabalhos de destaque no audiovisual são a série “A revolta dos Malês”, com direção de Jefferson De e Belisário Franca, o curta-metragem “Onça”, direção de Guilherme Rezende, o filme comercial “Pack Gela Fácil” da Cerveja Skol e a Telenovela “Segundo Sol”, da Rede Globo. Licínio foi gestor do Teatro Municipal Gonzaguinha (2018/2019) e faz parte do Coletivo Preto, focado em produzir conteúdos no teatro e audiovisual que busquem dar uma nova visão ao Protagonismo Negro.

Orlando Caldeira

Orlando Caldeira é ator, diretor e circense. Atualmente no ar como ator na novela “VERÃO 90” é formado pela Escola Técnica de Teatro Martins Pena (RJ), pela Escola Nacional de Circo e graduando em licenciatura em Dança pela Faculdade de Dança Angel Vianna. Atuou nas novelas “Boogie Oogie” e “I Love Paraisópolis”, ambas da Rede Globo. É integrante do Coletivo Preto e da cia de teatro carioca Troupp Pas D’argent. Na Troupp, atua nos espetáculos “Kondima”,”Cidade das Donzelas”, “Holoclownsto”, “Morro da Ópera” e “Lavagem”, que foram apresentados no Brasil, Londres, Itália e Chile. Foi indicado ao Prêmio Shell 2008 pela Pesquisa de Movimento do espetáculo “Cidade das Donzelas”. Em festivais de teatro pelo Brasil, ganhou cinco prêmios de melhor ator e o prêmio pelo domínio técnico da comicidade em Manaus (AM). Na Europa, ganhou o Prêmio Compasso Di Latta Italiano, pelo espetáculo “Cidade Das Donzelas” e o Prêmio Lukas – The Air Europa UK Awards, em Londres, de Melhor Produção Teatral latino-americana do Ano de 2012 com o espetáculo “Holoclownsto”. Ator do monólogo ingantil “BOQUINHA E ASSIM SURGIU O MUNDO” de Lázaro Ramos, no qual recebeu o prêmio de melhor ator no Prêmio CBTJ de Teatro para Infância e Juventude. É ator dos espetáculos “A menina Edith e a velha sentada”,  texto e direção de Lázaro Ramos, “As aventuras do menino Iogue” com direção de Juliana Terra e Arlindo Lopes e “Maravilhoso”, direção Inez Viana, com temporadas no Rio de Janeiro e Bogotá (Colômbia).

Espetáculos

Assina a direção dos espetáculo “LÍVIA ” e “SERÁ QUE VAI CHOVER” do coletivo preto. É diretor de movimento do espetáculo “POR QUÊ ” e “DÁ LICENÇA MINHA GENTE” do grupo Cutucurin de teatro ( Angra dos Reis)

Ficha técnica:

” Espetáculo Lívia “

Texto: Licínio Januário e Sol Menezzes

Direção: Drayson Menezzes e Orlando Caldeira

Elenco: Licínio Januário e Sol Menezzes

Cenário: Lorena Lima
Figurino: Cristina Cordeiro
Luz: Gabriel Prieto
Direção Musical: Douglas Adelino
Trilha Sonora: Douglas Adelino, Pedro Prata e Zé Ricardo
Diretora de Palco: Ty Prieto
Fotografia: Amanda França
Programação Visual: Lucas Schinkoeth
Produção: Drayson Menezzes

Realização: Príncipes Negros e Coletivo Preto

Apoio: CAIXA e Governo Federal

“Boquinha… E Assim Surgiu o Mundo”

Texto: Lázaro Ramos

Direção: Suzana Nascimento e Lázaro Ramos

Interpretação: Orlando Caldeira

Produção: Drayson Menezzes

Classificação: Livre

Apoio: CAIXA e Governo Federal

Direção de Movimento: Marcela Rodrigues

Trilha Sonora: Ricco Viana e Antônio Van Ahn

Luz: V almyr Ferreira

Cenografia e Figurino: Alberta Barro e Gabrielle Windmüller

Fotos: Julio Ricardo

Pesquisa: Susan Kalik e Orlando Caldeira

Coordenação de Projeto: Orlando Caldeira

Direção de Produção: Drayson Menezzes

Serviço:

Espetáculo Lívia

Duração: 50min

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Teatro de Arena

Endereço: Av. Almirante Barroso, 25 – Centro (Metrô e VLT: Estação Carioca)

Telefone: (21) 3980-3815

Datas: De 08 a 17 de fevereiro de 2019 (de sexta a domingo)

Horários: sexta e sábado às 19h; domingo às 18h

Debates após o espetáculo nos sábados, dias 9 e 16 de fevereiro

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia

Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 13h às 20h

Lotação: 84 lugares (mais 4 para cadeirantes)

Classificação indicativa: 14 anos

Acesso para pessoas com deficiência

“Boquinha… E Assim Surgiu o Mundo”

Duraçao: 50min

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Teatro de Arena

Endereço: Av. Almirante Barroso, 25 – Centro (Metrô e VLT: Estação Carioca)

Datas: Dias 10 e 17 de fevereiro de 2019 (domingo)

Horário: às 16h

Ingressos: R$ 16,00 (inteira) e R$ 8,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia

Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 13h às 20h

Classificação indicativa: Livre

Lotação: 84 lugares (mais 4 para cadeirantes)

Acesso para pessoas com deficiência

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.