Premiado texto SÍNTHIA fica em cartaz no Teatro Capobianco até 19 de dezembro

0
Espetáculo que nasceu no Instituto Cultural Capobianco, Sínthia faz nova temporada de apenas um mês, com sessões às segundas e terças, às 20h, no espaço onde fez sua primeira leitura dramática, em 2013, no Projeto Terceira Margem III. A nova temporada do espetáculo é também uma realização do Instituto Cultural Capobianco e tem patrocínio da Construcap e Goiasa.
Sínthia
foto Divulgação Morente Forte

 Escrita e dirigida por Kiko Marques, a peça ganhou prêmio APCA de Melhor Direção, além de receber indicação ao Shell por Direção e Atriz para Denise Weinberg, convidada da Velha Companhia. O espetáculo recebeu também indicações Prêmio Aplauso Brasil de Melhor Diretor e Autor para Kiko Marques, Melhor Trilha Original para Tadeu Mallaman e Melhor Atriz coadjuvante para Virgínia Buckowski. 

Sínthia

Durante dois anos, os artistas da Velha Companhia ficaram imersos numa pesquisa que deu origem ao novo texto de Kiko Marques (ganhador dos prêmios Shell, APCA, Aplauso Brasil e Qualidade Brasil pelo espetáculo CAIS ou Da Indiferença das Embarcações).
 
Com o apoio do 24º Fomento ao Teatro da cidade de São Paulo e do Instituto Cultural Capobianco, puderam realizar um vasto ciclo de palestras, pesquisa histórica e improvisações cênicas em cima dos temas, Transgeneridade e Ditadura.
 
Num tempo de imposições, Vicente, um músico clássico esperado por sua mãe como menina, sente compaixão.
 
A companhia convidou a atriz Denise Weinberg, para assumir a mãe de Vicente, e para participar de toda a pesquisa do projeto Sínthia ao longo desses dois anos. O ator Silvio Restiffe faz o papel do pai de Vicente, interpretado por Marques. Diversas pessoas contribuíram de maneira fundamental no processo, realizando palestras e levando importante referência histórica e pessoal, como Amelinha Teles, a dramaturga Jo Clifford, os professores Maurício Cardoso e Marco Napolitano, o pesquisador Ricardo Cardoso, entre outros.

Palavra do Diretor

“Sínthia tem origem numa experiência pessoal. Nasci em 31 de março de 1965, um ano exato após o golpe que depôs o presidente João Goulart, mergulhando o país numa ditadura. Meu pai era oficial da PM do Rio de Janeiro na época. Minha mãe teve dois irmãos homens e dois filhos também homens antes de mim. Muito por isso fui esperado por ela como menina. A partir do mote de uma mulher encarcerada num mundo machista, do paradigma da repressão como forma de amor, e da questão da identidade de gênero, resolvi criar uma obra que falasse de compaixão.”, A peça conta as histórias de Maria aparecida e seu caçula Vicente, desde seu nascimento em 1968 até o natal de 2013 quando chega para a ceia vestido como Sínthia, nome que teria se tivesse nascido menina. Fala de uma transformação necessária  e ininteligível como tudo o que é necessário, e sobre a incapacidade de aceitar aquilo que não se possui. “Matamos aquilo que não entendemos.” Escrita em 2014, a obra mais do que nunca se mostra atual  e necessária pela maneira como a intolerância alicerçada em certezas e interesses, vem se tornando o modo principal de nos relacionar tanto no campo pessoal como social.                                                   
 
 SÍNTHIA
Instituto Cultural Capobianco – Teatro da Memória (30 lugares)
Rua Álvaro de Carvalho, 97, Centro (próximo ao metrô Anhangabaú)
Telefone: (11) 3237.1187
Bilheteria: abre um hora antes do início do espetáculo, nos dias de apresentação.
Vendas: www.compreingressos.com
 
Segundas e Terças às 20h
Ingressos: R$ 20

 
Duração: 165 minutos
Recomendação: 14 anos
 
 
Reestreia dia 20 de Novembro de 2017
Curta Temporada: até 19 de Dezembro
 
 
FICHA TÉCNICA

Autoria e Direção: Kiko Marques

Elenco: 
Denise Weinberg (Maria Aparecida)
Silvio Restiffe (Luiz Mário)
Alejandra Sampaio (Maria Aparecida)
Virgínia Buckowski (Nôra e Ana)
Kiko Marques (Vicente)
Marcelo Diaz (Ico, músico e médico)
Willians Mezzacapa (Cezinha, músico e carcereiro)
Marcelo Marothy (Luizinho, músico e paisano)
Valmir Sant’anna (Conrado e funcionário IML)

Diretora de Produção: Patricia Gordo    
Cenografia: Chris Aizner
Desenho de Luz: Marisa Bentivegna
Figurinos: Fábio Namatame
Direção Musical e Trilha Original: Tadeu Mallaman
Preparação e Desenho de Movimento: Fabrício Licursi
Consultora Vocal: Fernanda Maia
Assistente de Direção: Mateus Menezes
Consultor Histórico: Ricardo Cardoso
Consultor Artístico: Bruno Meneguetti     
Assistente no processo dramatúrgico: Cristina Cavalcanti
Colaboradores do processo dramatúrgico: Marcelo Laham e Maurício de Barros
Fotografia: Lenise Pinheiro
Assessoria de Imprensa: Morente Forte
Design Gráfico: Fabrício Santos
Assistente de Produção: Lívia Ziotti           
Diretor de Palco: Fábio Mráz                           
Assistente de Figurino: Juliano Lopes             
Assistente de Iluminação e Operador de Luz: Jean Marcel                                            
Quarteto de Cordas: Violino (Mica Marcondes), Violino (Alice Bevilaqua), Viola (Elisa Monteiro) e Cello (Vana Bock)                                                                       
Técnico de gravação e mixagem: Gabriel Spazziani
Produtor Técnico do Estúdio: Ricardo Martins                                           
Piano: Jonas Dantas 
Consultoria Musical: Fernando Martin
Palestrantes da Pesquisa: Jo Clifford, Marcos Napolitano, Maurício Cardoso, Amelinha Teles, Mariana Rosell, Cecília Heredia e Ricardo Cardoso
Produção Geral: Velha Companhia

LEIA TAMBÉM
Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.