GloboNews exibe documentário Capital do Brega e mostra a força do ritmo no Recife

0

Do brega ao cordel, GloboNews destaca manifestações culturais do Nordeste

capital do brega
A cantora Michelle Melo, entrevistada do documentário ‘Capital do Brega’. Foto Globo Divulgação

Superando preconceitos e ultrapassando barreiras sociais, o brega foi consagrado em 2017 como expressão cultural de Pernambuco. Um estilo musical que atrai multidões de diferentes gerações  para festas e shows, e contabiliza milhares de fãs nas redes sociais. Do brega romântico de Reginaldo Rossi ao brega funk dos MCs, passando pelo brega universitário, o gênero não passa despercebido. Neste sábado, dia 10, às 16h30, a GloboNews exibe o documentário  ‘Capital do Brega’ falando exatamente da força do ritmo em Recife.

LEIA TAMBÉM

Segundo Sol registra novo recorde de audiência em São Paulo, iguala melhor marca no Rio de Janeiro e voa alto na Globo

Capital do Brega

O filme traz depoimentos de expoentes da nova geração do brega como MC Troinha e MC Elvis, Michelle Melo e MC Loma e as Gêmeas Lacração, que ficaram conhecidas pela música ‘Envolvimento’, cujo clipe teve mais de 9 milhões de visualização. ‘Capital do Brega’ inclui entrevistas com empresários, produtores musicais e pessoas que fizeram negócio a partir do brega, como o estilista Cassiano Silva, que assina o figurino de várias artistas; e um jovem que criou uma empresa de camisetas que estampam frases e bordões. “O brega faz parte da rotina dos pernambucanos, especialmente dos que vivem na região metropolitana do Recife e poucos brasileiros fora do estado conhecem essa realidade. É muito mais que um estilo de música, é um estilo de vida, move a  economia local, tem criatividade, leveza e diversão”, diz a repórter da GloboNews, Wanessa Andrade, que assina a criação e produção do documentário com a editora do canal, Renata Baldi.

capital do brega
Claufe Rodrigues e o cordelista Gonçalo Ferreira da Silva. Crédito: Globo/ Divulgação

GloboNews Literatura

Outra manifestação cultural do Nordeste é destaque do programa de estreia da nova temporada do ‘GloboNews Literatura’, que vai ao ar também neste sábado, dia 10, às 18h30: a Literatura de Cordel, declarada Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil no início de outubro. Wanessa Andrade visitou a editora Coqueiro, do Recife, uma das maiores do cordel, que já utiliza impressão digital. Em Bezerros, no interior de Pernambuco, fica o ateliê do lendário J. Borges, xilogravurista e cordelista. “Eu não sabia fazer gravura, mas tomei emprestado uma gravura de um amigo, que era sobre o mesmo assunto. Aí botei no meu cordel e deu certo. No segundo, cortei um pedaço de madeira, botei no esquadro, lixei e depois desenhei. E aí me dei muito bem”, conta o artista.

Claufe Rodrigues conversou com o cordelista Gonçalo Ferreira da Silva, de 80 anos, criador da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, no Rio de Janeiro. A ABLC, fundada há 30 anos, guarda 13 mil folhetos de cordel – 300 são de autoria de Gonçalo. Rosilene Melo, professora da Universidade Federal de Campina Grande, foi a responsável por escrever o dossiê que tornou a Literatura de Cordel Patrimônio Cultural Brasileiro. Segundo ela, “é preciso colocar os folhetos de cordel nas prateleiras da grande Literatura Brasileira. Não se pode pormenorizar os cordelistas. São escritores e poetas reconhecidos pelos críticos literários”.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.