Órfãos da Terra: Duca Rachid e Thelma Guedes falam sobre novela

0

Entrevista com as autoras Duca Rachid e Thelma Guedes

Duca Rachid e Thelma Guedes
foto Isabella Pinheiro

Duca Rachid

Paulista, nascida em Mogi das Cruzes, São Paulo, Duca Rachid estreou na TV Globo como colaboradora de Walcyr Carrasco, em ‘O Cravo e a Rosa’ (2000) e ‘A Padroeira’ (2001). Em 2005, assinou a temporada de ‘Sítio do Picapau Amarelo’, ao lado de Julio Fischer e Alessandro Marson. Iniciou a bem-sucedida parceria com Thelma Guedes, em 2006, com a novela das seis, ‘O Profeta’. As duas assinaram juntas, na sequência, as novelas ‘Cama de Gato’ (2008), ‘Cordel Encantado’ (2011) e ‘Joia Rara’ (2013), vencedora do Emmy Internacional de Melhor Telenovela. Em 2016, Duca supervisionou Manuela Dias na minissérie ‘Ligações Perigosas’. 

Thelma Guedes

Antes de formar dupla com Duca, a carioca Thelma Guedes lançou seu primeiro livro de contos, ‘Cidadela Ardente’, em 1997, e, ao mesmo tempo, fez a Oficina de Autores da Globo. Foi roteirista do programa ‘Angel Mix’ (1999) e trabalhou como colaboradora na novela ‘Vila Madalena’ (1999), de Walther Negrão, logo após ‘A Turma do Didi’. Em 2002, iniciou uma parceira longa com Walcyr Carrasco, de quem foi colaborada em ‘O Sítio do Picapau Amarelo’, ‘Esperança’ (2002), ‘Chocolate com Pimenta’ (2003) e ‘Alma Gêmea’ (2005). 

LEIA TAMBÉM

Lançamento de ‘Órfãos da Terra’ é marcado por vivência cultural

Entrevista Duca Rachid e Thelma Guedes

Como surgiu a inspiração para construir a história de ‘Órfãos da Terra’?  

Thelma Guedes – Houve um período em que, a todo momento, chegava uma notícia, uma imagem, uma reportagem nova sobre o conflito no Oriente Médio, e isso nos tocou bastante. Eu sou filha de nordestinos – meus pais vieram para o Sudeste para fugir da seca do Nordeste. Eles também se sentiam como refugiados. Estamos fazendo uma novela amorosa, humana. É um novelão, com vilão, tramas se desenrolando, e, nesse contexto, tem a questão do refúgio. 

Duca Rachid – A gente ficou muito sensibilizada com as histórias que vinham não só da Síria, como da África. Também pelo fato de sermos descendentes de imigrantes. Meu avô era libanês. Minha avó veio de Portugal. Minha família é metade árabe, metade portuguesa. Ao pesquisar sobre esse assunto, tivemos contato com histórias de pessoas de vários lugares, ouvimos relatos impactantes, e isso foi nos comovendo muito. A gente foi pensando em como contar essa história do ponto de vista do folhetim, da influência cultural e da história de superação dessas pessoas, que é muito bonita. ‘Órfãos da Terra’ é uma novela com uma grande trama de amor e que se desenrola nesse contexto, que é bem atual. 

A novela fala muito das misturas das culturas e dos povos que formam uma única nação, o Brasil. Teremos personagens de diferentes continentes em ‘Órfãos da Terra’. Podem falar um pouco sobre isso? 

Thelma Guedes – Eu acredito muito no potencial do nosso país, que é uma terra miscigenada e acolhedora. Muitas culturas somadas formam o povo brasileiro. A nossa intenção em retratá-las é valorizar as nossas origens e reforçar o conceito chave da novela, de que todos nós pertencemos a uma só ancestralidade.

Duca Rachid – A dramaturgia vem para trazer essa mensagem de que não existem fronteiras geográficas que limitem a nossa empatia com o próximo. Além de brasileiros, congoleses, sírios ou libaneses, somos cidadãos desse planeta. Na trama, vamos trazer o que o nosso povo tem de melhor, que é o carinho em acolher, nossa vocação para tirar das adversidades lições de vida e de superação, além, é claro, do nosso reconhecido bom humor.  

E qual a mensagem a novela pretende passar? 

Thelma Guedes – Desde a nossa primeira novela, a gente sempre buscou o tema da compaixão, a premissa do caminho do meio. ‘Joia Rara’ tinha isso muito forte, ‘Cama de Gato’ e ‘Cordel Encantado’ também. A mensagem principal dessa vez é a empatia, se colocar no lugar do outro e pensar no Brasil como um país grande, rico, receptivo, como sempre foi. O Cristo Redentor está de braços abertos. Todo mundo que vem aqui gosta, porque é um lugar alegre e acolhedor. E, mesmo passando por problemas, somos esse povo feliz e miscigenado.  

Duca Rachid – A novela também mostra que o planeta em que a gente vive é esse, não temos outro. Por enquanto, a gente tem que viver aqui e conviver com as diferenças. A metáfora que a gente pode usar é o abraço: abrace o diferente. Não vamos perder a empatia, os valores humanos e empáticos, como a compaixão.  

Como está sendo a parceria com o diretor artístico Gustavo Fernández?

Duca Rachid – A nossa parceria com o Gustavo é histórica e muito feliz. Teve início em ‘Cama de Gato’ e, mais recentemente, em ‘Cordel Encantado’. Seu trabalho é minucioso e muito competente, o que colabora muito para o resultado final do produto.

Thelma Guedes – Nós escrevemos a obra, mas ficamos sempre atentas às cenas que vão ao ar. Várias vezes, tanto em ‘Cama de Gato’, quanto em ‘Cordel Encantado’, nós nos surpreendíamos positivamente com algumas cenas, que, após finalizadas, descobríamos que haviam sido dirigidas por ele. Ficamos muito seguras e satisfeitas de entregar essa novela aos cuidados do olhar sensível e coerente do Gustavo.

Órfãos da Terra

Com estreia prevista para 2 de abril, ‘Órfãos da Terra’ é escrita com Dora Castellar, Aimar Labaki e Carolina Ziskind e com a colaboração de Cristina Biscaia. A novela tem direção artística de Gustavo Fernández, direção geral de André Câmara e direção de Pedro Peregrino, Alexandre Macedo e Lúcio Tavares.

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.