‘Made In Japão’: leia entrevista com Babi Muniz e Gui Santana

0
Babi Muniz diz que ajudou Silvana ao mantê-la fora de sua equipe e que teimosia a faz brigar pelo que crê no reality
entrevista com Babi Muniz e Guj Santana
fotos Chahestian
 Com poder de decisão, ex-panicat alega ter equilibrado times deixando a mãe de Ludmilla ser a última selecionada para os trios
 
“Quando escolhi o Richarlyson e o Gui foi pensando nela, também”

No episódio passado do reality de convivência Made in Japão, a competidora Babi Muniz enfrentou mais uma situação desconfortável: teve de dizer não à amiga Silvana Oliveira, quando sobravam apenas a mãe de Ludmilla e o humorista Gui Santana para a única vaga no novo time que a ex-panicat formava. Amigas no confinamento da atração, que é apresentada aos sábados à noite por Sabrina Sato, na Record TV, as duas passaram, ali, a ser adversárias em trios formados com mais dois homens cada, enquanto um terceiro trio foi composto só por mulheres. À ocasião, Silvana demonstrou ter ficado chateada por ser a última a se integrar.

Por pensar em mim e na ‘Sil’ foi que escolhi o Gui. Foi para ficar mais equilibrado, igualar as forças dos grupos”, defende Babi. 

A esta altura, a candidata diz já sentir a pressão que a proximidade da final impõe aos que vivem os bastidores das provas malucas da gincana que conduz o programa. A revelação do vencedor do prêmio de R$ 500 mil será no dia 27 de junho, e a disputa está cada vez mais acirrada. Nove celebridades brigam, até aqui, para ocupar as seis primeiras posições do ranking e se classificar para a semifinal. 
Eu tento controlar, mas fico muito nervosa nas provas. Então, procuro pelo menos não levar essa tensão para o confinamento“, diz a ex-panicat. Mas nem sempre isso é possível, a exemplo das brigas que já travou com Flávio, Richarlyson e outros colegas. “Sou meio brava quando acho que estou certa, e vou até o final com minha teimosia, admite.
Encarando atividades que exigem aptidões diversas e muitas vezes alheias a força, participantes oscilam no ranking e encaram o ambiente competitivo também nos intervalos da disputa, pois, entre as puxadas provas do campeonato, convivem por 25 dias em uma casa de três cômodos sem muito conforto.
Penúltimo episódio

O penúltimo episódio será exibido neste sábado (20 de junho), às 22h30, e Babi define a etapa como decisiva, ainda que não seja agora o momento de três pessoas do elenco deixarem a atração.

Além dela, permanecem na briga para se manter longe da zona de eliminação a influenciadora digital Silvana Oliveira, mãe da cantora Ludmilla; os atletas Richarlyson, Daniele Hypólito e Maurren Maggi; os modelos e ícones televisivos da virada do século Flávio Mendonça e Luiza Ambiel; o humorista Gui Santana; e o veterano em realities Dhomini, ex-namorado de Sabrina Sato.

Vocês vão ver muita presepada, ainda. Porque eu aprontei só um pouquinho, sabe?“, diverte-se Babi.

LEIA TAMBÉM
Você é uma das pessoas mais descontraídas do programa, o que tem rendido comentários positivos do público nas redes sociais. Como dosa a diversão que o reality proporciona e a responsabilidade de lutar pelo prêmio?
Babi Muniz – Eu entrei no programa pelo prêmio, claro, porque ele é muito bom, mas também para me conhecer melhor, para me divertir, para mostrar às pessoas quem eu sou. Acho que todo o mundo tinha essa curiosidade. E eu estou podendo mostrar o meu jeito de verdade. Eu me divirto muito estando ali naquela casa, com toda essa gincana maluca! É uma diversão com responsabilidade, porém. Eu tento controlar, mas fico muito nervosa nas provas. Então, procuro pelo menos não levar essa tensão para o confinamento e consigo, assim, mostrar mais esse meu lado da menina mais leve, boba (risos). Tem gente que se identifica bastante, fico feliz. Tento mais me divertir do que pensar na final.
Ainda assim, pudemos ver momentos de brabeza, como quando contestou o Flávio e até mesmo a Sabrina. Que coragem! (risos) Já estava acostumada a lidar com a competitividade tão de perto ou esse reality está sendo uma experiência diferente?
Babi Muniz – Sou meio brava quando acho que estou certa. E vou até o final com a minha verdade, com a minha teimosia, porque estou certa! (risos) Quando a gente fala que é família, que é amigo, eu defendo os meus até o fim! Se acho que algo não está certo, vou falar o que penso do meu jeito. Se vão gostar ou não, já não sei. Quando eu contestei o Flávio, ele não gostou. Mas eu falei que não podia esconder o que sentia só por causa de alguém. Eu tento, claro, falar de um jeito que não vá magoar nem ofender, porque tenho carinho pelas pessoas, mas quando estou na minha verdade eu vou até o fim por ela!

Neste momento da competição, como avalia os acontecimentos da casa?

Babi Muniz – A gente chegou a uma etapa bem preocupante, então, toda prova perdida, seja em grupo ou em duelo, vai mexendo mais com a gente, porque vai nos aproximando ou distanciando da final. Todo momento agora é importante. Toda prova é um instante decisivo.

Suas escolhas chegaram a ser questionadas algumas vezes, como quando tirou a Maurren da prova do salto e quando optou por puxar o Gui, e não a Silvana, para o seu grupo. O próprio Richarlyson a contestou muito na situação da Maurren! Como está sendo a convivência com essas pessoas próximas nessa nova configuração?

Babi Muniz – Quando escolhi o Richarlyson e o Gui para o meu trio foi pensando na ‘Sil’, também. Porque a gente acabaria perdendo se disputasse prova havendo três homens no outro grupo. Por pensar em mim e nela foi que escolhi o Gui. Foi para ficar mais equilibrado, igualar as forças dos grupos. E ela entendeu! Porque o antigo grupo Ninja vai se defender, a gente sempre falou que não interessaria em que grupo estivéssemos, que cuidaríamos um do outro.


O que esperar de Babi no episódio desta semana? Consegue nos adiantar alguma coisa?
Babi Muniz – (risos) Eu fico muito nervosa nas provas e acabo dando uma atrapalhada! (risos) Mas eu posso dizer que vou lutar com toda a minha força em busca desse prêmio! Só que vocês vão ver muita presepada, ainda. Porque eu aprontei só um pouquinho, sabe? (risos).
SABRINA SATO COMANDA PENÚLTIMO PROGRAMA
foto Chahestian
entrevista com Gui Santana

Você está no topo! Foi muito treino para potencializar performance (risos)? Qual é a sensação de superar os temidos atletas neste momento?

Gui Santana – Por incrível que pareça nunca imaginei estar no topo, sempre me vi na zona de classificação, que é o G6. Conquistar a liderança é algo surpreendente até mesmo para mim. Eu nunca pratiquei esporte e não tenho tanta resistência física para aguentar tanto assim. Mas toda essa pontuação vem de muito esforço e, claro, de um pouco de sorte também, afinal, a cultura japonesa sempre tem um lado místico que requer atenção, disciplina e intuição.
O que acha que o favoreceu para chegar até aqui, portanto?

Gui Santana – Eu apenas relaxei e passei a curtir a casa e as pessoas. Entrei muito tenso, e isso atrapalhou minha performance. Agora, com mais calma e menos ansiedade, pude me destacar nas provas. Eu não sou uma pessoa 100% eficaz no desempenho das atividades, mas eu as cumpro com regularidade. Faço tudo certinho e conquisto meus pontos. Acho que escutar o meu grupo e pensar na vitória foram fatores essenciais para eu chegar no topo do placar.

Richarlyson falou no ar que você é pessimista. Concorda? Seu copo tem estado meio cheio ou meio vazio? 

Gui Santana – Essa é uma questão muito difícil de responder, porque quando estou muito otimista as pessoas me falam que sou maluco, que sou louco em fazer isso ou aquilo; já quando estou sendo realista, dizem que sou pessimista. É difícil de entender! (risosNa verdade, sou 50/50, mas meu copo está meio cheio. Em relação ao jogo, claro que levo uma desvantagem na parte física, não sou preparado para tantos exercícios. Mas na sorte e na intuição acho que sou o melhor de todos!
Conta aqui: vai se envolver em alguma confusão nesta semana?  
Gui Santana – (Risos) Pode ter certeza de que estou vivo no jogo e isso incomoda muita gente! No próximo episódio vai acontecer algo inacreditável comigo! Assista!

Confira abaixo o perfil dos jogadores e como estão os times e o placar da competição neste momento:

PERFIS E PONTUAÇÃO – POR TRIO

Trio 1 (pontos em 13/06)

Luiza Ambiel (29 pontos)
48 anos, atriz, empresária, youtuber e eterna musa da banheira do Gugu.

Maurren Maggi (113 pontos)
43 anos, campeã olímpica de salto em distância e comentarista esportiva.

Daniele Hypólito (68 pontos)

 

35 anos, ginasta e ex-participante de reality shows.


Trio 2 
(pontos em 13/06)

Babi Muniz (80 pontos)

30 anos, modelo, blogueira e ex-panicat.

Gui Santana (120 pontos)

 

33 anos, ator, comediante e apresentador.

Richarlyson (108 pontos)

37 anos, ex-jogador de futebol e treinador de vôlei.

Trio 3 (pontos em 13/06)

Dhomini (77 pontos)
47 anos, vencedor de reality, palestrante e ex-namorado de Sabrina Sato.

Flávio Mendonça (100 pontos)

41 anos, modelo e corretor de imóveis; com o irmão gêmeo, Gustavo, foi ícone da TV na virada do século.

Silvana Oliveira (95 pontos)
45 anos, empresária, influenciadora digital e mãe da cantora Ludmilla.

ÍNTEGRA DOS EPISÓDIOS

Para quem já tem saudade ou perdeu a largada dessa divertida –e tensa– disputa, que ainda promete fortes emoções até a final, os capítulos levados ao ar estão disponíveis na íntegra no canal oficial de Youtube da Record TV. De acesso fácil e gratuito, os vídeos publicados na plataforma digital podem ser consultados a qualquer momento por quem quiser tirar dúvidas sobre as regras da atração, conhecer melhor os participantes do confinamento, vibrar e se divertir com as provas malucas do game japonês, escolher para quem torcer no reality de convivência, que é embalado pela competitividade e pela união de equipe, ou se atualizar e preparar para os demais embates que vêm pela frente. 

O quarto episódio (quando houve formação de trios) pode ser visto no link abaixo:

Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.